SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Periferia inspiradora

Rappers filtram das mazelas sociais os motivos de seus versos, como quem busca uma cura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/05/2014 11:53 / atualizado em 12/05/2014 11:54

Diego Ponce de Leon

“Indiscutivelmente, o rap tem sido fundamental na propagação do cotidiano das periferias”, atesta o rapper Criolo, um dos responsáveis pela promoção nacional do gênero que, aos poucos, transgride os limites periféricos.

Para muitos, no entanto, o rap permanece restrito aos guetos e ao preconceito. Mas nem por isso perde a sua força. Pelo contrário: cumpre o papel primordial que lhe é atribuído. “Os rappers acabam atuando como porta-vozes da periferia. Recriam, poeticamente, o cotidiano da comunidade, registrando o que se vive, no que diz respeito ao preconceito, à violência, à segregação socioespacial, à dificuldade de acesso a direitos básicos, como saúde e educação”, explica a doutoranda Laetícia Jensen Eble, que desenvolve, na Universidade de Brasília (UnB), uma densa pesquisa sobre literatura marginal e periférica, com ênfase nos autores do movimento hip-hop.

Em um segundo momento, segundo ela, “eles são representantes do mundo, oferecendo uma perspectiva singular sobre o que ocorre ao seu redor, diferente daquela versão reproduzida pelo discurso dominante”. Os relatos desta página ilustram as enfermidades sociais listadas. Mas, igualmente, sugerem a possibilidade de prevenção e, quem sabe, de cura.

“Sonho de uma menina de 15 anos”


Ela ainda beira os 20 anos, mas já é conhecida como uma das promessas do rap de Brasília. Como acontece na vida da maioria que vive em regiões periféricas marcadas pelo abandono público e pela violência, a jovem Layla Moreno encara um cotidiano repleto de dificuldades no Varjão.

“Nosso barraco foi derrubado recentemente. Tivemos que pedir ajuda para uma amiga”, relata a rapper, que hoje divide um quarto com a mãe. O irmão mora com a avó, no terreno ao lado. “Levou quatro tiros um tempo atrás, quando foi confundido com um marginal. Quer ir embora agora”.

 Layla conheceu o rap por meio de um amigo e encontrou no gênero uma válvula de escape para uma realidade tão atroz. “Foi logo depois que meu pai morreu. Foi a maneira que encontrei de lidar com aquilo tudo”. O pai de Layla faleceu na prisão, onde cumpria pena por tráfico de drogas. “Felizmente, eu nunca me envolvi com nada disso. Meu único vício é o rap”.

Como a carreira ainda não paga as contas, a artista trabalha em um salão afro e frequenta a faculdade de enfermagem, à noite. “Um investimento para que eu possa seguir no caminho da música, minha prioridade”, decreta. A trajetória de Layla mal começou, mas ela já se mostra grata: “Pode não parecer muito, mas jamais achei que pudesse conhecer algumas pessoas que admiro e subir em tantos palcos”.

“Me chama no cantinho
e me fala umas poesias
Mas hoje eu estou só e vou estar só no fim do dia
Respira bem fundo, aproveita toda essa brisa
Deixa o cheirinho de chuva invadir o que se imagina”
Layla Moreno, rapper
Tags:

publicidade