SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Como escrever o português?

Professores Pasquale Cipro Neto e Ernani Pimentel assessoram Senado para aprimorar Novo Acordo Ortográfico

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/09/2014 19:12

Mesmo com a reforma na escrita da língua portuguesa, muita gente ainda tem dificuldade em compreender a ortografia. A fim de promover maior entendimento e acessibilidade à escrita nos países cuja língua oficial é o português, a implatação do Novo Acordo Ortográfico foi prorrogada para 2016. Para ajudar a aprimorar e democratizar a ortografia, os professores Pascoale Cipro Neto e Ernani Pimentel foram convidados a formar o Grupo de Trabalho Técnico da Comissão de Educação do Senado.

Para assessorar a decisão dos senadores quanto ao Novo Acordo Ortográfico, os professores promovem debates em audiências públicas e sugerem alterações nas regras atuais do português. “A ortografia pode melhorar porque, em muitos casos, a língua não tem lógica e as pessoas ficam perdidas”, esclarece o professor Ernani.

Ernani Pimentel dá um exemplo. A retirada do acento no verbo parar em casos como “ele pára” causa ambiguidade com a preposição “para”. Quem lê a frase “trânsito intenso para o Buriti” pode entender que o trânsito está intenso na opinião do Buriti ou que o trânsito intenso fez o Buriti parar. Sem justificativa para a queda do acento, o mais lógico seria mantê-lo.

“As exceções sem justificativa têm que acabar. Precisamos pegar regras baseadas no ensino antigo e trazer para o raciocínio lógico, para que professores e alunos fiquem mais à vontade com a língua”, explica Ernani.

Um dos projetos participantes da primeira audiência a ser realizada em outubro é o movimento Simplificando a Ortografia. Iniciado por professores de língua portuguesa, pesquisadores e estudiosos, o movimento é aberto à participação de todos os segmentos sociais e reconhece a língua como patrimônio coletivo nacional e internacional, cuja guarda compete à sociedade e não a um grupo exclusivo, por mais importante que seja como órgão de consulta. Para mais informações, consulte o site do movimento.
Tags:

publicidade