SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Ascom Mec

Para ministro, ensino médio reflete a formação deficiente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/06/2012 16:41

As mudanças para melhorar a qualidade do ensino médio no Brasil, os investimentos para uma escola pública de qualidade e a atenção ao calendário para as matrículas dos estudantes aprovados na primeira chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do Ministério da Educação foram destaques no programa de rádio Hora da Educação desta quarta-feira, 27, gravado pelo ministro Aloizio Mercadante. Ao responder perguntas enviadas por comunicadores de rádio de diferentes regiões do país, Mercadante falou sobre a qualidade da escola pública e sobre os altos índices de reprovação no ensino médio. Segundo ele, essa etapa do ensino reflete os problemas de formação deficiente, entre eles o da alfabetização, no ensino fundamental. %u201CSó metade dos alunos do ensino médio está na idade ou série correta%u201D, disse. Entre as várias iniciativas destinadas a melhorar o ensino médio, Mercadante citou o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o programa Ensino Médio Inovador e o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). O ensino médio inovador amplia a jornada escolar e reformula o currículo. Pelo Pronatec, estudantes têm a opção de fazer o ensino médio regular e, ao mesmo tempo, curso profissionalizante. Sobre o Sisu, Mercadante destacou a ampliação do prazo para que os aprovados na primeira opção de curso façam a matrícula na instituição pública de ensino que os convocou. %u201CAmpliamos esse prazo de dois para sete dias úteis%u201D, disse. %u201CAs matrículas podem ser feitas a partir do dia 29, sexta-feira agora, e o candidato selecionado em primeira opção que não fizer a matrícula vai perder a vaga.%u201D O prazo de matrícula vai até 9 de julho. Em 13 de julho, sai o resultado da segunda chamada. Cotas %u2014 O ministro abordou também a política de cotas nas universidades públicas. A adoção, salientou, não será suficiente para igualar as oportunidades sociais no Brasil. %u201CMas é uma política pública afirmativa, que seguramente vai ajudar a reduzir a discriminação e a desigualdade racial%u201D, observou. Quanto ao ensino religioso, citou a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. %u201CA Lei de Diretrizes e Bases da Educação deixa bem claro, no artigo 33: somos um estado laico, e ensino religioso não significa o ensino do catolicismo, mas deve ser parte integrante da formação, e que respeite a diversidade religiosa%u201D, disse. Comunicadores de rádio de todo o Brasil podem enviar perguntas e participar do programa Hora da Educação pelo endereço eletrônico radialiastas@mec.gov.br. O programa pode ser veiculado pelas emissoras na íntegra ou em versão editada. Assessoria de Comunicação Social Ouça o programa Hora da Educação desta quarta-feira Leia também: Seminário reúne jovens para debate sobre o ensino médio
Tags:

publicidade

publicidade