SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Volta as Aulas

Eles vão de van? Cuidado

Com o início do ano letivo, os pais devem prestar atenção na hora de contratar o transporte escolar. Veículo e condutor têm que atender as normas do Código de Trânsito

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/01/2013 11:24 / atualizado em 28/01/2013 11:26

Temerosos de deixar os filhos irem para as aulas de transporte público, pais sem muito tempo encontram nas vans e nos ônibus escolares uma solução segura e confiável. Ainda assim, todo cuidado é pouco. É preciso também verificar o veículo e saber quem vai conduzi-lo. Não basta o motorista possuir a carteira de tipo D. Ele deve ter registro em curso de formação de condutores escolares. Além disso, o Código de Trânsito Brasileiro, exige que a van atenda a requisitos específicos e passe por duas inspeções anuais (veja quadro).

Todas essas regras podem ser cobradas pelos pais no momento de contratar o serviço para os filhos. “Os pais devem verificar a habilitação do condutor. Na parte de trás do veículos, tem que ter escrito ‘habilitado escolar’ ou apenas ‘escolar’. Recomendamos também que eles verifiquem no site do Detran a lista de quem está autorizado no DF, além de checar o documento no vidro do veículo”, explica o chefe do Núcleo de Transporte Escolar do Detran-DF, Helder Athan. Nos veículos com mais de 10 anos de uso, ainda é exigido o laudo de inspeção veicular.

Quando precisou ir para a escola sozinha, Marialice dos Santos Limas, 10 anos, tinha a opção de pegar o transporte público escolar de onde mora, no Itapoã, até a escola em que estudou nos últimos quatro anos, no Paranoá. “Não quis que a minha filha pegasse paradas lotadas e nem que se envolvesse com muitos meninos muito mal-educados nos ônibus. Eu dou uma educação em casa e não quero que ela aprenda essas coisas fora”, reclama a mãe, Sueli dos Santos, 35. A solução encontrada é a mesma desde 2009: a condução escolar.

A mãe é estudante de ensino técnico no Plano Piloto e não tem condições de levar e buscar a menina na escola durante o dia. Pegou a indicação do transporte escolar para Marialice com a diretora de uma escola, onde a garota havia estudado. No primeiro contato com o dono da empresa, ele passou para Sueli os telefones de outros pais que confiavam a ele a condução dos filhos. Sueli conversou com alguns deles, sentiu segurança e, desde então, a garota está com o mesmo condutor.

Segurança
O cuidado com os passageiros é tal que o motorista de Marialice tem sempre uma tabela com os nomes das crianças que deve transportar no dia, além de exigir que todas elas usem o cinto de segurança. “Tem uma monitora que busca a gente dentro da escola. Ela não sai da porta do colégio sem mim. E quando me deixa em casa, espera eu trancar o portão antes de ir embora”, descreve a menina. Agora, o irmão mais novo dela, Arthur, 4 anos, entra em idade escolar e deve ir para a aula na mesma condução. “Não acho caro o preço cobrado pelo serviço que eles prestam. O transporte público é ruim, demora, passa mais cedo ou mais tarde que o horário que deveria, a parada de ônibus está sempre cheia. Com a condução, me sinto segura”, diz Sueli.

Para Marialice, a experiência é divertida. Ela mora longe da escola, então tem tempo para fazer amigos e até ver DVDs na van, que as próprias crianças levam para assistir. “No primeiro ano, foi estranho, porque eu não conhecia ninguém e aí fiquei tímida. Mas fiz amigos e o transporte ficou legal”, lembra a garota, que garante obedecer ao motorista quando ele pede que ela coloque o cinto de segurança.

A fiscalização desses meios de transporte é feita pelo Detran, e torna-se mais intensa com o início do ano letivo. “Fazemos policiamento diário, com uma ou duas blitzes escolares por dia nas regiões mais movimentadas”, avisa Athan. Ao todo, são cerca de 1,3 mil condutores com permissão para circular vans e ônibus escolares no DF. A autorização é semestral e a data deve aparecer no documento no vidro do veículo, para que autoridades e pais possam verificar facilmente. Atualmente, não é exigido que crianças usem bebês-conforto, cadeirinhas e assentos de elevação, regra que ainda está em estudo pelo Denatran.


"Tem uma monitora que busca a gente dentro da escola. Ela não sai da porta do colégio sem mim. E quando me deixa em casa, espera eu trancar o portão antes de ir embora”

Marialice dos Santos Limas, 10 anos, usuária de van escolar


Condições ideais

O veículo

» Todos os veículos devem circular com autorização emitida pelo Detran. Para isso, é necessário registrar como veículo de passageiros e fazer uma inspeção semestral para verificar equipamentos obrigatórios e de segurança. O documento deverá ser afixado na parte interna do veículo, em local visível

» O veículo deve ter uma faixa horizontal amarela, com 40 centímetros de largura, à meia altura, em toda extensão da carroceria, com a palavra "Escolar" em preto. Em caso de a van ser amarela, a regra se aplica com as cores invertidas

» Equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e  tempo (tacógrafo)

» Lanternas de luz branca, fosta ou amarela distribuídas nas extremidades da parte superior dianteira e lanternas vermelhas na extremidade superior da parte traseira

» Cintos de segurança em número igual à lotação

» É proibido o transporte de número maior de passageiros que previsto pelo fabricante da van

O condutor
» Ter 21 anos ou mais

» Habilitado na categoria D

» Não cometer nenhuma infração grave ou gravíssima nem ser reincidente em infrações médias durante os últimos 12 meses

» Ser aprovado em curso especializado

Fonte: Capítulo XIII do Código de Trânsito Brasileiro
Tags:

publicidade

publicidade