SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Estudantes apresentam pesquisas em feira de ciências e engenharias

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/03/2013 18:17 / atualizado em 19/03/2013 11:34

Sabrina Alves Santos, estudante do ensino médio da Escola Estadual Romeu de Moraes de São Paulo, apresenta durante toda a semana o projeto Efeitos da exposição à poluição na cidade de São Paulo sobre o desenvolvimento ósseo do feto: uma abordagem experimental. A aluna é uma das finalistas da 11ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), realizada no campus da USP.

"Antes eu não via cientistas como pessoas normais, mas eu fiz trabalho de cientista e sou uma pessoa normal", contou a estudante que também participa do Programa de Pré-Iniciação Científica da USP.

Já Nayara Soares Pina da mesma escola, que está apresentando o projeto Detecção de Células Inflamatórias na Lesão Vascular do Enxerto em Modelo Experimental de Transplante de Aorta, disse que sempre quis fazer medicina, mas não sabia os caminhos. "Participando do projeto de pré-iniciação científica, tive uma visão diferente. Alunos de escola pública como a minha não podem perder oportunidades como essas, pois temos poucas", salientou.



Renata Francelino de Souza, Daniel Back da Trindade e Daniel da Silva Marques, estudantes do Centro Educativo Passionista Mãe da Santa Esperança, localizado no Riacho Fundo I, cidade satélite de Brasília, estimulados pelo professor de matemática Demutiey Rodrigues, construírame uma cadeira de rodas com material alternativo de baixo custo, o PVC. "Começamos a estudar vários tipos de conexões que pudessem manter a estabilidade e resistência do protótipo", explicou Renata.

 

Os jovens pesquisadores buscaram materiais que, aliados ao PVC, pudessem aumentar a resistência da cadeira. Foi feita, então, uma estrutura metálica que foi inserida nos tubos utilizados no acento do protótipo. Além disso, o projeto utiliza rodas de bicicleta, que podem ser mais acessíveis a pessoas de baixa renda. Também foi explicado que o tamanho da cadeira depende da estrutura física de cada pessoa e que os espaços existentes entre as rodas e o PVC do acento são para permitir melhorias no protótipo, como a instalação de motorização.


Daniel da Trindade disse que a cadeira foi pensada tanto para atender pessoas com deficiência em membros inferiores como para tetraplégicos. A cadeira suporta o peso de até 80 Kg e o tempo de vida útil é de dois anos. O valor máximo da cadeira é de R$ 337, sendo que no valor de mercado uma com qualidade semelhante chega a R$ 735 e uma com qualidade inferior custa, em média, R$ 280


Proposta
A proposta surgiu a partir da análise dos valores de mercado e os tipos de cadeiras de rodas disponíveis na região de Brasília. O desafio foi encontrar material que pudesse substituir as hastes metálicas utilizadas na estrutura das cadeiras que fosse de baixo custo. A relevância do projeto está na convicção de que é possível construir ou fabricar cadeiras com materiais alternativos e atender a populações carentes. Os três autores do projeto pretendem cursar engenharia, mas ainda não sabem em qual especialidade.

Exposição
A Capes participou nos dias 12 a 14 com estande localizado na tenda de exposições da Febrace. No local foram divulgadas informações sobre os programas voltados à formação dos docentes do ensino básicos, além de informações sobre bolsas de estudo no país e no exterior.

Febrace

A Feira Brasileira de Ciências e Engenharia é um movimento nacional de estímulo ao jovem cientista, que todo ano realiza na Universidade de São Paulo uma grande mostra de projetos. São objetivos da Febrace: estimular novas vocações em ciências e engenharia por meio do desenvolvimento de projetos criativos e inovadores; aproximar as escolas públicas e privadas das universidades, criando oportunidades de interação espontânea entre os estudantes e professores das escolas com a comunidade universitária (estudantes, professores, funcionários), para uma melhor compreensão dos papéis das universidades em ensino, pesquisa, cultura e extensão; e criar uma oportunidade para jovens pré-universitários brasileiros entrarem em contato com diferentes culturas e estarem próximos de reconhecidos cientistas.


Acesse o site da Feira.

Coordenação de Comunicação Social da Capes

Tags:

publicidade

publicidade