SIGA O
Correio Braziliense

Cuidar do livro é lucro certo

Manter as publicações didáticas em bom estado de conservação é uma excelente opção para economizar na despesa com as listas de material. Nos sebos, é possível obter descontos de até 60%. Para isso, os pais devem orientar os filhos a preservarem os produtos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/10/2013 15:39 / atualizado em 18/10/2013 15:45

Manoela Alcântara , Gizella Rodrigues

Bruno Peres/CB/D.A Press
Cerca de 30% das instituições privadas do Distrito Federal anexaram à proposta de matrícula a lista de material didático para 2014. Além dos itens de papelaria, estão os livros — a parte que mais pesa no bolso do consumidor na hora das compras. Para o ensino médio, em algumas relações, o número de livros chega a 22 exemplares, distribuídos entre disciplinas como matemática, português, geografia, química, biologia e outras. A busca pelo melhor preço movimenta um mercado além das papelarias. Os sebos esperam receber em média 3 mil livros a mais entre os meses de novembro e março.

Os estabelecimentos de objetos usados começam a comprar os materiais antigos a partir da segunda quinzena de novembro, quando podem analisar todas as listas e saberem quais livros serão passíveis de comercialização. Eles pagam, em média, 20% do valor original da publicação, dependendo da conservação e da procura daquele determinado item. A negociação é uma via de mão dupla. Os livros que ficariam inutilizados nas prateleiras podem ter abatimento naqueles a serem usados no ano seguinte.

O principal público para as trocas são os estudantes de ensino fundamental e médio. Para as séries iniciais, a lista somente dos livros didáticos chega a R$ 800. Nos níveis mais avançados as compras para o início do ano podem somar R$ 1,5 mil. Esses valores podem diminuir entre 50% e 60% se a opção for pelos sebos. “Os materiais pesam no bolso dos pais. Procuramos formas de economizar, principalmente para os que enfrentam mais dificuldades financeiras”, afirma o presidente da Associação de Pais e Alunos das Instituições de Ensino do DF (Aspa), Luis Claudio Megiorin.

Preservação


Para uma boa negociação, os pais devem, a cada início de ano, estabelecer uma parceria com os filhos, a fim de conservar o material didático. “O preço a ser pago depende muito do estado de conservação dos livros. Muitos chegam aqui riscados, com partes da publicação destacadas pelo marca-texto. Isso reduz o valor. As pessoas querem comprar um livro sem nenhuma marca, novo. Mas na hora de vender, precisam nos entregar em boas condições”, diz o proprietário da Livraria Pindorama, na Asa Sul, Luiz Alves Moraes. Hoje, ele tem um acervo com 90 mil exemplares, mas somente 300 são didáticos. “É uma rotatividade muito grande. No fim de novembro, as vendas são mais aceleradas. Isso permanece até o início das aulas e depois diminui”, completa.

Para não haver erros, quanto mais detalhistas os consumidores forem, melhor. No Sebinho, localizado na Asa Norte, alguns pais levam as fotos das capas dos exemplares a serem comprados. “Eles trazem os livros antigos e, se estiverem nas listas das outras séries, podem escolher entre ter o crédito para abater nas compras ou pegar o dinheiro. Sempre analisamos o que as escolas pedem”, conta a proprietária do Sebinho, Cida Caldas. Segundo ela, os docentes devem ajudar os estudantes no cuidado com as obras. “Uma vez, uma menina chegou aqui com o livro todo grifado, falei a ela sobre a importância de não fazer isso. Ela respondeu que o professor havia mandado”, lamentou.

O presidente da Aspa ressalta que, na ânsia de economizar, os pais procuram outras formas de aproveitar o material didático usado. “Começa a ter também um movimento de troca-troca nas escolas. Os pais combinam entre si de aproveitar os livros de colegas da série seguinte, desde que esteja em bom estado de conservação”, conta. Em casa, Megiorin tenta incentivar o cuidado com os livros. “Falei para minha filha que, se ela conservasse o livro, poderia vender no fim do ano e ficar com o dinheiro.”

Onde encontrar
Livraria Pindorama
CRS 505 Bloco A, s/n, Loja 41— Asa Sul
Telefone: 3443-3425

Sebinho
SCLN 406, Bl. C, Lj. 44 — Asa Norte
Tel: 3447-4444

Universo Cultural Livraria e Papelaria
CLSW 103, Bloco B, Loja 42 Sudoeste, Cruzeiro

Asilo do Livro
CSB 7 Lote 5 Taguatinga Sul

Dicas

» Não risque as páginas com caneta ou marca-texto. O fichamento da matéria ajuda no aprendizado e mantém o material intacto para o próximo usuário. Facilita ainda na hora da venda em sebos.

» A cautela ao guardar o material na mochila é importante. O jeito de transportar os exemplares pode evitar orelhas e até fissuras nas capas ou nas páginas.

» Tentar não molhar o material para que não haja desgaste.

» Responder os exercícios a lápis, no caso de livros que contenham questões.

» Não deixe os livros em prateleiras com forte exposição ao sol.

» O sebos começam a receber os materiais didáticos na segunda quinzena de novembro. Os livros a serem vendidos podem ser levados até os estabelecimentos para avaliação
Tags: