SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Folclore na escola

Dança e canto envolvem alunos e comunidade no interior de SC

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/02/2014 11:38

No município catarinense de Cocal do Sul, eventos promovidos pelas escolas em épocas de festas juninas e na Semana do Folclore, em agosto, são aguardados com ansiedade pela comunidade. “As crianças gostam das festividades e levam os pais a participar”, analisa o professor Rodrigo Cardoso, que leciona em três escolas do município.

“O que mais chama a atenção é o envolvimento dos alunos nesses eventos culturais”, diz Cardoso. “Notamos o orgulho de cada um nas apresentações e nos ensaios.”

Professor de artes no Colégio Cocal e de musicalização nas escolas municipais de ensino fundamental Cristo Rei e Demétrio Bettiol, Rodrigo trabalha com diversos temas, mas aquele que mais o emociona é o Boi de Mamão, manifestação folclórica típica de Santa Catarina, que envolve dança e canto. Ele coordena um grupo na escola Demétrio Bettiol. Além de cuidar da parte musical, ajuda na confecção dos personagens.

Toda a escola, porém, é mobilizada a ajudar na parte de figurinos e manutenção. Os estudantes participam da cantoria, tocam instrumentos, pintam os animais e ajudam na costura, colagem e acabamentos.

Para as apresentações, têm prioridade os alunos das turmas do nono ano. “Há mais facilidade, se houver necessidade de participação em turno diferente”, explica.

O grupo é convidado, com frequência, a fazer apresentações em outras escolas e instituições e já se apresentou em municípios vizinhos. Em 2013, foi produzido um vídeo sobre o trabalho.

Rodrigo atua no magistério há 14 anos. Nas aulas, ele procura sempre estimular a troca de experiências com os alunos. “Eu os incentivo a trazer os instrumentos musicais que tocam e trago os meus”, diz. “Confeccionamos instrumentos e aprendemos cantorias.”

O professor também usa recursos de vídeo e de áudio. “Não uso músicas que contenham conteúdo inapropriado ou façam algum tipo de apologia nociva à saúde mental e física dos alunos”, enfatiza Rodrigo, que tem graduação em artes e pós-graduação em metodologia do ensino da música.

Tags:

publicidade

publicidade