SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

No coração do cerrado

Estudantes da rede pública participam da comemoração antecipada dos 15 anos de criação da Flona do Distrito Federal. Para muitos foi uma surpresa conhecer a importância do segundo maior bioma do país, berço das águas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/06/2014 15:36

 (Paula Rafiza/Esp. CB/D.A Press) 

Aos 16 anos, a estudante Maria Tainah Amorim, que cursa o 1º ano do ensino médio, sabia pouco sobre o bioma do cerrado. Para ela, a vegetação natural que cobre parte do Distrito Federal era bonita, mas não importante. As árvores retorcidas chamavam a atenção, mas a jovem, como vários colegas de escola, não conseguia perceber a riqueza da paisagem onde nasceu. Ontem, isso mudou. Em um passeio do Centro Educacional 4 de Taguatinga à Floresta Nacional de Brasília (Flona), uma nova noção de natureza se abriu para a adolescente. O evento faz parte da comemoração antecipada dos 15 anos da criação da unidade de preservação ambiental (leia Para saber mais), que contou com oficinas de pintura, escultura em argila, um documentário e uma trilha pela região.

A proposta de Maria Tainah é divulgar a importância do cerrado. “Eu não sabia que o bioma era tão importante e nem que era o berço das águas que correm pelo Brasil. Agora, nossa missão é preservar a natureza e compartilhar o que aprendi dentro de casa”, disse. Estudante do 8º ano do ensino fundamental, Paulo Henrique da Silva, 13 anos, terminou a visita com um misto de admiração e indignação. Ele não consegue compreender como os alunos da rede pública sabem tão pouco sobre o ecossistema em que vivem. “Foi bom conhecer animais e plantas e o bioma em que eles vivem. Acredito que é preciso saber sobre isso o quanto antes. As pessoas gostam mais daquilo que conhecem”, explica.

As oficinas ajudaram os estudantes a se relacionar com o aprendizado teórico. Eles assistiram ao documentário Cerrado, o pai das águas, moldaram aves nativas em argila, usaram tinta fabricada com materiais extraídos do bioma para comporem imagens em decalques e aprenderam sobre como plantar espécies, como o pequi. “Com a argila e a pintura, aprendemos a valorizar mais o meio ambiente”, garantiu a estudante do 1º ano do ensino médio Elisana Ferreira, 15 anos. Responsável pelos estudantes, o professor de física Francimar Nunes, 45, ressaltou a importância do evento. “Às vezes, o aluno não tem noção da importância da natureza na vida deles. Aqui, eles vivenciam uma coisa próxima e que da sala de aula parece muito distante”, afirma.

Conquistas e decepções
Presidente da Associação dos Amigos da Floresta, Mery Lucy Souza foi uma das responsáveis pelas visitas que marcaram os 15 anos da Flona em Brasília. Entre quarta e quinta-feira, 188 estudantes de escolas públicas da Vicente Pires e de Taguatinga visitaram a reserva para fazer as oficinas. Ela conta que, com o Instituto Chico Mendes de Conservação Ambiental (ICMBio), a entidade decidiu antecipar a comemoração para não perderem espaço para a Copa do Mundo. “Escolhemos as escolas próximas. Dessa forma, atingimos alunos que moram na Flona e não sabem da importância do lugar. Resgatamos o valor do cerrado”, disse Mery Souza.

Marcar a data é importante tanto para lembrar as conquistas do parque quanto para destacar o que ainda não foi cumprido. Quem afirma é o analista ambiental da Flona, Jackson Nascimento. Uma das metas é fortalecer a educação ambiental com eventos semelhantes ao de ontem. “Precisamos urgentemente da regularização fundiária e de um plano de manejo, que é a lei que define as atividades que podem ser praticadas aqui. Esse plano deveria ser atualizado a cada cinco anos, mas nemsequer está pronto”, lamentou.

O bioma

Excluído da Constituição como patrimônio nacional, o cerrado é o segundo maior bioma brasileiro. A área abriga 11.627 espécies de plantas nativas, 199 de mamíferos, 837 de aves, 1.200 de peixes, 180 de répteis e 150 de anfíbios. Devido à falta de fiscalização e ao avanço da agropecuária, área preservada é inferior a 20% do território original.

Conceito de Flona

O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (Snuc) considera floresta nacional uma área de posse e domínio público, protegida e de uso sustentável coberta de vegetação nativa. No caso da Flona do Distrito Federal, é o cerrado. O objetivo da flona é desenvolver o uso sustentável de recursos naturais e servir para pesquisa científica básica.

Para saber mais

Proteção à natureza

Os governos federal e distrital criaram a Floresta Nacional de Brasília em 10 de junho de 1999. Com a delimitação de 9.346,28 hectares, a lei que determinou a existência da unidade atingiu três objetivos: reduzir a especulação imobiliária dentro da zona demarcada, garantir a sobrevivência de diversos animais da fauna do cerrado e preservar e proteger a flora e uma série de nascentes e rios que abastecem a Barragem do Descoberto, que supre mais de 60% da demanda por água potável do DF. A flona está sob a tutela do Instituto Chico Mendes de Conservação Ambiental (ICMBio) e do GDF. Porém, ainda existem diversos chacareiros dentro da região preservada. Eles são responsáveis por 99% dos incêndios que ocorrem na flona por ano.
Tags:

publicidade

publicidade