SIGA O
Correio Braziliense

EDUCAÇÃO »

Brasília no coração do Caseb

Na comemoração dos 55 anos, o colégio mais antigo da cidade, inaugurado um mês depois da nova capital, propõe uma inversão de papéis e convida os brasilienses a invadirem a escola. Mas nem tudo é festa. Instituição precisa de reforma urgente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/04/2015 11:32 / atualizado em 24/04/2015 11:37

Mariana Niederauer

No próximo mês, outro aniversariante ilustre comemora 55 anos: o Centro de Ensino Fundamental Caseb. Primeiro colégio de Brasília, ele nasceu com a capital e, no dia da celebração, abrirá as portas a ex-alunos, professores, diretores e a toda a comunidade. Agora, em vez de as ruas da cidade serem ocupadas, como tem ocorrido em manifestações e em eventos culturais, será Brasília quem invadirá o Caseb.

“A ideia é comemorar o aniversário da escola e fazer com que as pessoas que já estudaram no Caseb se reencontrem e resgatem histórias e amizades”, explica a diretora do colégio, Angelita Amarante Garcia. Por meio da campanha Caseb no coração de Brasília, Caseb no coração da gente, ela e a vice-diretora, Marinalva Costa Aguiar, trabalham com o apoio da comunidade escolar para revitalizar e resgatar a memória da instituição. Hoje, a instituição tem 37 turmas e cerca de mil alunos matriculados.

Sueli Costa Durães, 52 anos, foi estudante do colégio entre 1978 e 1979. Mais tarde, tornou-se professora e passou a dar aulas de ciências na instituição. Hoje, é coordenadora pedagógica. “Na minha adolescência, o Caseb era muito famoso e eu fiz de tudo para vir estudar aqui”, conta. Da época de estudante, ela lembra ainda o aconchego que sentia sempre que  entrava na escola. “Um lugar onde fomos amados e queridos, a gente nunca esquece”, afirma. “Quem estudou no Caseb sempre tem um amor por ele, tem uma história para contar vivida aqui dentro, seja de felicidade, seja de tristeza. O Caseb não passou na vida dos alunos, ele ficou.”

O mesmo sentimento é compartilhado pelos alunos atuais do colégio. “O Caseb foi a escola em que eu mais gostei de estudar. A gente gosta de levantar cedo e vir para cá”, relata Giulia Perez Petit, 13 anos, aluna do 8º ano do ensino fundamental que estuda na instituição há três anos. O colega dela Ygor Borges de Souza, 13, concorda, e lista os motivos de se identificar tanto com o ambiente escolar: “Gosto de estudar aqui pelos professores e pelos membros da direção, que são pessoas muito amigáveis. Para os alunos, isso ajuda a interagir mais e se sentir à vontade na escola”. No ano passado, os dois criaram uma página no Facebook para o colégio, que já conta com mais de mil curtidas, e começaram a fazer um jornal interno, espaços onde divulgam eventos e informações importantes aos demais estudantes.

Pioneiro

Entre os 60 primeiros professores selecionados para dar aulas no Caseb, em 1960, por meio de concurso público, estava o engenheiro Kleber Farias Pinto, hoje com 82 anos. Mineiro, natural de Ouro Preto, ele veio para Brasília dois anos antes, com o grupo de 31 profissionais da área selecionados por Israel Pinheiro para ajudar na construção da capital. Kleber era um dos responsáveis por implantar a rede subterrânea de eletricidade de Brasília e, quando soube da oportunidade de dar aulas na comissão que deu origem ao atual Centro de Ensino Fundamental Caseb, fez a prova e foi selecionado (leia Memória). “Eu fazia as duas coisas: dava aulas de matemática e enterrava os fios na cidade inteira para que ninguém os visse”, relembra.

Para ele, o Caseb é sinônimo de pioneirismo e de inovação. Kleber conta que a criação do colégio teve relação com a concepção do então presidente, Juscelino Kubitschek, de que tudo o que fosse construído na capital recém-inaugurada tinha de ser também novo e criativo. A realização desse objetivo e a construção de um colégio adaptado à renovação do ensino que ocorria na época foram possíveis com o apoio do educador Anísio Teixeira e do diretor executivo do colégio na ocasião, Armando Hildebrand.

“Imagina a importância e o desafio de um professor do interior de Minas Gerais ter à sua disposição a capital da República para criar um novo modo de ensino da matemática”, relata Kleber. Ele e os outros dois docentes da disciplina chegaram a escrever um livro sobre a matemática moderna: Grande Biblioteca Básica Colegial — Matemática (Editora Peon). Outro fruto dessa nova forma de ensino, segundo o professor, foi a criação da Universidade de Brasília (UnB). “O primeiro resultado que se teve foi preparar as bases da Universidade de Brasília, que era, na época, uma das mais avançadas do país”, conclui.

Na comemoração dos 55 anos do Caseb, um dos objetivos é trazer a comunidade e ex-alunos, professores e diretores para perto do colégio e convocar todos a se unirem pela revitalização da instituição. A estrutura da escola ainda é a original, da década de 1960. O telhado está em péssimas condições e as salas, cheias de goteiras. A Ala 5, que tem seis salas, está interditada, assim como três laboratórios — de ciências, de química e de física —, que a direção está tentando, por meio de parcerias, reformar.

Por meio do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf), foi possível comprar material para pequenas manutenções, como a pintura das paredes, no início deste ano. De acordo com a diretora, Angelita Amarante, o colégio ainda aguarda a aprovação, pelo governo, de um projeto de reforma e a abertura de licitação. A equipe de engenharia da Casa Civil da gestão passada estimou o valor da obra em, aproximadamente, R$ 20 milhões. Segundo a Assessoria de Comunicação da Secretaria de Educação do DF (SEDF), um plano de obras da rede pública de ensino para o período de 2015 a 2018 está em fase de elaboração, e o Caseb está na lista de escolas contempladas.

 

Antonio Cunha

Antonio Cunha
 

 

Memória

Projeto ousado

A Comissão de Administração do Sistema Educacional do Brasil (Caseb) foi instituída por decreto de 1959, assinado pelo então presidente, Juscelino Kubitschek, e pelo ministro da Educação, Clóvis Salgado, com o objetivo de construir a rede física e manter o sistema de ensino da nova capital. A inauguração ocorreu em 16 de maio e as aulas tiveram início dias depois, em 19 de maio. Os primeiros professores foram selecionados em concurso público aplicado em todo o país. Os alunos eram filhos de parlamentares e de candangos

#eusoucaseb

Os 55 anos do Caseb serão comemorados no colégio,
na 909 Sul, em 16 maio. A festa começará às 10h e irá até as 16h. Estão programadas atividades culturais, feijoada com
samba e a participação de food trucks. Informações e doações com a diretora, Angelita, pelos números 3901-7622 e 9207-7902, e pela página oficial www.facebook.com/www.caseboriginal.