SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

A importância da família

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/05/2015 11:34 / atualizado em 05/05/2015 11:35

Sentar-se com os filhos, perguntar sobre o dever de casa e procurar saber a data das provas pode parecer um trabalho cansativo para os pais de crianças e adolescentes, mas o subsecretário de Educação Básica da Secretaria de Educação do Distrito Federal, Gilmar Ribeiro, garante que, além do estudo complementar feito em casa, é importante a participação da família na vida escolar dos jovens. “Se ela acontece, o aluno se sente mais acolhido, percebe que as pessoas estão preocupadas e apoiando os estudos, e, daí, a tendência é que ele tenha um melhor desempenho escolar.”

Na família Melo, essas atividades fazem parte do dia a dia. A mãe, Junia, 44 anos, estabeleceu rotinas de estudo para os filhos desde pequenos. Tanto Anastácia, 15, quanto Artur, 16, são cobrados desde a infância. Hoje, os pais não precisam mais pegar no pé dos adolescentes para que estudem. Eles chegam da escola, almoçam e, após um cochilo, partem para o dever de casa. Hoje, eles têm uma rotina rigorosa, imposta por eles mesmos. Como estão ambos no 2º ano do ensino médio, às vezes tiram dúvidas um com o outro sobre as matérias. E se algo em matemática parece muito complicado, podem pedir socorro ao pai, Roberto Melo, 39, que já trabalhou como professor da disciplina.

Anastácia e Artur estão na fase em que se dedicam muitas horas, às vezes até tarde da noite, às lições. Tudo para conseguirem uma vaga na UnB, apesar de o curso que tentarão ainda não estar definido. O pai, que acompanha os estudos dos filhos, reclama da falta de exercícios práticos que complementem o conhecimento.

“Eu acho que poderia ser reduzido o dever de casa para passar atividades práticas”, opina. Segundo ele, as escolas não têm essa preocupação em aplicar o conhecimento, e o conteúdo teórico extenso é usado apenas para o vestibular, pois a maioria dos alunos não usará grande parte do que foi ensinado depois de concluir o ensino médio. Roberto atribui a rotina puxada dos filhos ao excesso de conteúdo. “Minha opinião é que o conteúdo do ensino médio no Brasil como um todo é muito extenso, sufocante”. Roberto, contudo, sabe que verá os filhos estudarem ainda mais no ano que vem, quando estarão no terceiro ano. E ele estará pronto para apoiá-los.

publicidade

publicidade