Adventista precisa recorrer à justiça para fazer prova

Liminar foi concedida a um estudante inscrito em seleção do Colégio Militar Tiradentes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/08/2015 16:53 / atualizado em 14/08/2015 16:56

Vínícius Ribeiro de Souza teve que recorrer à justiça para conseguir fazer a prova de ingresso do Colégio Militar Tiradentes , localizado no Setor Policial Sul. O garoto  e a sua família são adventistas do sétimo dia e, segundo sua religião, devem reservar o sábado para orações, só podendo fazer qualquer atividade depois do por-do-sol.

A família do  estudante recorreu à justiça para ele fazer a prova após às 18h, mas o diretor do colégio recusou. Eles então decidiram entrar com um mandato de segurança para garantir a Vinícius a oportunidade de fazer o teste. O juiz  da 4ª Vara Federal, Frederico Botelho Viana, concedeu  liminar para que ele tivesse  o  direito à liberdade religiosa garantido. O aluno chegará pela manhã, no horário normal da prova, às 8h, e ficará em uma sala reservada sem qualquer comunicação até às 18h.

Max Kolbe, dono do escritório de advocacia Kolbe Advogados Associados, cuidou do caso e ressalta que esse é um direito muito importante. “A liberdade religiosa é garantida pela Constituição, ninguém pode ser restringido de fazer algo por conta da sua opção. O tema ainda é controverso na jurisprudência, questões pessoais podem influenciar, mas, a liberdade de crença deve prevalecer porque somos um estado laico.” O advogado está  satisfeito com a vitória e pondera que a recusa do diretor pode ter sido por questões de logística ou por questões religiosas.

A mãe do  estudante, Denise Ribeiro de Souza, não quis ser entrevistada. A equipe do Eu, Estudante tentou entrar em contato com o colégio mas não obteve resposta.