SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Protesto reúne cerca de cinco mil estudantes na Esplanada dos Ministérios

Os estudantes criticam a crise econômica, o presidente da Câmara Eduardo Cunha e a corrupção no governo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2015 13:30 / atualizado em 13/11/2015 14:50

Nívea Ribeiro /

Minervino Junior/CB/DA Press

Estudantes e movimentos sociais se mobilizaram nesta sexta-feira (13/11) para uma série de protestos na Esplanada dos Ministérios. Além do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), em frente ao Ministério de Minas e Energias, cerca de cinco mil estudantes saíram do Parque da Cidade por volta das 11h e se posicionaram em frente ao Ministério da Educação para manifestar contra o atual governo. Segundo a organização do movimento, são 10 mil participantes, da Frente Brasil Popular, UNE, Ubes, Upes, CUT, CTB, entre outros.

A ideia inicial era permanecer em frente ao Congresso Nacional, mas os estudantes seguiram para o Ministério da Educação. Eles defendem o mandato da presidente Dilma Rousseff, criticam a crise econômica, ajuste fiscal, o presidente da Câmara Eduardo Cunha, o ministro da Fazenda Joaquim Levy e a redução da maioridade penal. Além disso, o grupo defende o exercício da democracia e a melhoria na educação pública.

Segundo a UNE, a manifestação é um "contraponto" à movimentação dos grupos que vão pedir a saída de Dilma durante atos no fim de semana. "Repudiamos a tentativa dos movimentos golpistas em desestabilizar aquilo que conquistamos a duras penas, com a luta dos estudantes, trabalhadores, de todos que enfrentaram uma ditadura militar e que não aceitarão nenhuma forma de retrocesso", afirmou a presidente da UNE, Carina Vitral.

Leia mais notícias em Brasil

Os manifestantes gritavam palavras de ordem, como "Esse movimento não é de líderes fakes, mas a juventude que está na rua", "Assim como a juventude conseguiu derrubar Collor, vamos derrubar Cunha", "Não concordamos com o impeachment da presidente, não é solução e sim uma reofrma política". Policiais do 6º batalhão da Polícia Militar fizeram um cordão humano para isolar a frente do Congresso e cerca de 100 homens da Polícia Legislativa foram escalados para fazer a segurança dos arredores dos prédios da Câmara e do Senado. Veja o vídeo:



Segundo a polícia, o ato foi pacifico. No início da manhã, policiais legislativos revistaram integrantes do MBL retirando paus, ferros e outros objetos que poderiam ser usados em eventual confronto.

Alguns manifestantes também montaram dois acampamentos próximo a Praça dos Três Poderes, com cerca de 500 pessoas, para uma manifestação a favor do impeachment da presidente. Catarina Vitral, provocou os acampados com frases "não embarcamos com revoltados on-line, nem com meia dúzia de ‘playboys’ que dizem representar o governo". Apesar dos protestos serem antagônicos, segundo a Polícia Militar não houve reação de violência, nem confronto entre os dois grupos de manifestantes.

publicidade

publicidade