SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

ENSINO »

Universo quântico na educação

Professora da rede pública usa elementos da saúde quântica para ensinar alunos a desenvolverem a autoconfiança. As lições são voltadas para 11 crianças com necessidades especiais em Vicente Pires

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2015 13:36

Mercelo Ferreira

Todas as segundas e quintas-feiras, 11 alunos da Escola Classe nº 2, de Vicente Pires, se reúnem para uma aula especial. Durante o encontro, de aproximadamente uma hora, as crianças experimentam alternativas para cuidar do corpo e da alma. As lições, baseadas na pedagogia quântica, são dadas pela professora de atendimento educacional especializado Andréa Wolney de Mello, 44 anos. Em uma sacola ao centro da sala, sentimentos e superpoderes podem ser encontrados pelos estudantes ao usarem a varinha dos sonhos, o spray da alegria e a vassourinha dos maus pressentimentos. O livrinho da positividade também está disponível, com frases motivadoras, para que eles trabalhem a autoconfiança. A proposta do modelo de educação propõe que tudo é energia e tudo vibra. No universo defendido pela profissional, sentimentos e emoções precisam ser compreendidos para que o ser humano seja entendido como um todo.

Tudo começou há um ano, quando a professora e psicopedagoga conheceu a prática da saúde quântica (leia Para saber mais) e decidiu usar as técnicas de terapia quântica para melhorar o processo de aprendizagem e socialização de alunos que precisam de atenção especial. São crianças com autismo, deficiência intelectual, visual e múltipla. Elas praticam meditação, ioga e tai chi chuan. Segundo Andréa, é notória a mudança na autoestima e no desenvolvimento psicossocial dos alunos. “A física quântica, na verdade, reconhece esse ser integral. A minhã missão é apenas a de desenvolver atividades para possibilitar que a criança acesse melhor essa potencialidade que existe nela”, diz. “Todos enfrentam dificuldades e todos têm um potencial. A escola deve atuar para despertá-los.”

Ainda de acordo com Andréa, os pensamentos, os sentimentos e as emoções são partículas de energia que criam o mundo físico. O maior objetivo da pedagogia quântica é despertar esse observador consciente desde a infância. “Queremos conduzir as crianças para que percebam com mais clareza os seus sentidos e gerenciem seus talentos, desejos e ambições, tornando-se construtores proativos da sua realidade”, explica. Ela defende que, com a pedagogia quântica, o espaço escolar comece a sair gradualmente do foco do conflito, das dificuldades e das limitações para vibrar nos aspectos positivos do saber, do construir, do criar e do relacionar-se de modo mais saudável consigo mesmo, com o outro e com o universo de potencialidades.

Durante as aulas, são trabalhadas atividades de empoderamento e de desenvolvimento das percepções sensoriais, cognitivas e emocionais. “Na aprendizagem, a mudança vem no sentido de eles se sentirem capazes, além da questão de acionar o potencial e de fazer com que percebam que são integrantes do meio.” A professora destaca ainda que, na maioria das vezes, a educação especial tem um histórico de exclusão. “Precisamos desenvolver uma visão de inclusão, mas, para isto, primeiro, temos que fortalecer o relacionamento ao lado daqueles que nos compreendem com o coração. Assim, beneficiaremos a nós mesmos, aos que nos cercam e ao todo do qual fazemos parte”, afirma.

Incentivo
Em cada encontro, as crianças são convidadas a estimular os sentidos por meio de brincadeiras, música, leitura e meditação. Arthur Santos Silva, 6 anos, participa das aulas há algum tempo e conta que o que ele mais gosta é de se sentir feliz. “Gosto de ficar alegre. Aqui, eu posso usar o apito da felicidade e brincar com os meus amigos. A melhor parte é quando a gente usa a sacola da positividade e a tia Andréa desenha comigo.”

Tímido, Alexandre Guilherme de Andrade Matias, 10 anos, está na 3ª série e melhorou as relações sociais com os amigos e com a família. “Aprendi a controlar a respiração e a usar a força do meu pensamento. O que eu acho mais legal é jogar com os meus amigos e brincar com os superpoderes que a gente ganha durante a aula. Na minha classe, eu posso estudar e, aqui, consigo andar nas nuvens.”

A frase no mural da sala de Andréa revela o desejo que a profissional tem em fazer a educação alavancar de uma forma mais humanizada. “O mundo, a humanidade, depende da nossa ação. Se você se negar a fazer sua parte, haverá uma lacuna e ninguém poderá preenchê-la. O que é seu, só você pode dar, porque você é único, ímpar, insubstituível”, traduz o trecho. Para ela, realizar esse trabalho é se sentir engrandecida. “Quando a gente passa a olhar para as oportunidades da física quântica, percebemos que temos infinitas alternativas além do lamento, da vitimização e de outras questões negativas. Se eu posso contribuir com esse novo olhar, eu farei isso. Para mim, é como juntar uma missão de vida com o trabalho”, acredita.

Para saber mais

Tudo é movido pela energia


A saúde quântica tem como base a física quântica e relativística. Tudo no universo se expressa como os alimentos que ingerimos, até a matéria sutil, como a luz, as ondas eletromagnéticas e o nosso pensamento, tudo é energia. Toda energia carrega uma qualidade de informação, que é a frequência com que ela se propaga. Portanto, desde o alimento que ingerimos até os pensamentos e as emoções que sentimos são alimentados pelas crenças que cultivamos. São formas de energia com que convivemos a cada instante. A saúde quântica prioriza a busca das causas, procurando dar poder ao indivíduo no sentido de tirá-lo do papel de vítima das circunstâncias, levando-o amorosamente a compreender a sua responsabilidade pelo estado em que se encontra e, a partir daí, ajudá-lo a levar um estilo de vida saudável.

publicidade

publicidade