SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Educação básica

UnB ajuda a organizar base nacional curricular

Após análise preliminar do documento, associação de pais e alunos do DF defende maior ênfase nos objetivos relacionados à alfabetização

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/02/2016 07:01 / atualizado em 11/02/2016 10:33

Mariana Niederauer , Especial para o Correio

O Brasil começou a discutir, no ano passado, um dos pontos cruciais do Plano Nacional de Educação: a Base Nacional Comum Curricular (BNC). O primeiro grande desafio, depois da redação da proposta inicial, feita pelo Ministério da Educação (MEC), será compilar as contribuições enviadas pela internet. São quase 10 milhões, de acordo com o último balanço divulgado pela pasta, e o processo de análise será essencial para garantir que pais, professores e gestores sejam ouvidos com relação ao que esperam da aprendizagem dos filhos e estudantes. Assim, também será mais fácil o acompanhamento da trajetória escolar durante toda a educação básica.

	Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press


Segundo Hilda Micarello, coordenadora da equipe de redação da proposta e professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), língua portuguesa e educação física foram os componentes que tiveram o maior número de participações por meio do portal até o momento. A análise foi feita a partir dos primeiros relatórios entregues pela Universidade de Brasília (UnB) e pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), no fim de janeiro. Para ela, o documento permitirá a elaboração de políticas públicas essencias à educação brasileira (leia Para saber mais).

Na UnB, uma equipe de aproximadamente 40 profissionais já começou a analisar os dados recebidos até 15 de dezembro. A equipe é dividida em dois grupos, uma da área de estatística e outra que engloba profissionais de letras, geografia, pedagogia, economia, engenharia, informática e auxiliares de pesquisa. Além disso, conta com a colaboração de mais de 10 especialistas da PUC-Rio e de outras instituições federais.

A decana de Extensão da UnB, Thérèse Hofmann Gatti, destaca que esse tipo de consulta pública é inédita no país. A equipe está trabalhando na tabulação e na categorização dos dados e fará o mesmo nos dois próximos recortes da consulta, um ainda neste mês e outro no fim do prazo, em março. Serão analisados os termos mais utilizados, quais os objetivos de maior discordância, quais tiveram maior sugestão de exclusão e quais foram as sugestões de inclusão. Será possível computar ainda as unidades da Federação que mais participaram, bem como a participação por escola, indivíduo, associação, entre outros. “Nosso papel nesse processo é garantir que toda colaboração seja computada e considerada devidamente”, resume Thérèse.

Todos participam
A colaboração do DF no processo de elaboração da Base começou já na composição do documento inicial. Quatro professores da UnB e dois da rede pública de ensino da capital, indicados pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), participaram da construção do texto em diversas áreas do conhecimento nas diferentes etapas do ensino. A lista completa está disponível no link bit.ly/1PNSrHp para consulta. Agora, professores, escolas, pais, alunos e toda a sociedade também podem contribuir pela internet.

“O que se quer é uma garantia de direitos, de que do Amazonas até o Rio de Grande do Sul todos tenham os mesmos direitos. Mas, para um país continental como o Brasil, esse é um grande desafio”, avalia a professora Vânia Leila de Castro, da Escola Classe 64 de Ceilândia. Ela, que dá aula para crianças dos anos iniciais do ensino fundamental, percebe que muitas chegam a essa fase com lacunas que podem ser irreparáveis, como a falta de capacidade de compreender operações de multiplicação. “Nós, que recebemos alunos do Brasil inteiro, sofremos na pele e sentimos como esse direito é retirado das crianças”, relata. “Se tivermos uma base, haverá várias pessoas zelando por essa aprendizagem: o professor, o pai, o gestor”, resume.

O documento, apesar de trazer orientações voltadas para o trabalho em sala de aula, será um guia importante também para que toda a população, especialmente os pais, entendam e acompanhem o que os filhos devem aprender a cada etapa do ensino, da infância à adolescência. “Hoje, eles (os pais) não têm parâmetros para saber se a escola do filho está no caminho correto ou não. Principalmente os das escolas privadas investem no escuro, porque a única avaliação que existe é o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Não temos a Prova Brasil aplicada de forma censitária”, observa Luis Claudio Megiorin, presidente da Associação de Pais e Alunos das Instituições de Ensino do DF (Aspa-DF).

 Mudanças e adaptação
Alguns pontos do texto preocupam a associação, como pouca ênfase nos objetivos relativos à alfabetização durante a educação infantil e a presença tímida do conteúdo de gramática em língua portuguesa. No entanto, Luis Claudio acredita que os debates marcados para os próximos meses, tanto na esfera federal quanto na local, devem dar conta de melhorar esses elementos para a próxima versão da BNC. Segundo Daniel Crepaldi, subsecretário de Educação Básica da Secretaria Adjunta de Educação do DF, a pasta está se preparando para promover, até maio, seminários com o objetivo de discutir o documento com toda a rede de ensino da cidade.

Até o momento, das cerca de 700 escolas do Distrito Federal, 400 se cadastraram pelo site para enviar contribuições ao texto. Dessas, apenas 20 são particulares. A partir deste mês, a secretaria deve concentrar esforços, com apoio do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino (Sinepe-DF) e do Sindicato dos Professores nos Estabelecimentos Particulares de Ensino (Sinproep-DF), para aumentar essa participação. Depois de todo o processo de discussão, será a hora de começar a pensar na implementação, já com o documento final em mãos. “Precisamos capacitar e discutir com todas as áreas de conhecimento do nosso currículo para que a gente consiga adequar a Base à nossa realidade”, explica Crepaldi.

Participe

As sugestões de mudanças na BNC devem ser enviadas pelo site basenacionalcomum.mec.gov.br, onde o documento está disponível, até 15 de março. As contribuições podem ser individuais, por organizações ou por escolas. Informações pelos telefones 2022-9307 e 2022-9286 ou pelo e-mail basenacionalcomum@mec.gov.br.

 A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

publicidade