SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Embaixadora de São Sebastião

Estudante da região administrativa do DF é selecionada para participar de programa de intercâmbio da Embaixada dos Estados Unidos. Nomes de outros 49 selecionados serão divulgados hoje

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/10/2016 13:17 / atualizado em 28/10/2016 14:22

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

A embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Liliana Ayalde, visitou o Centro Interescolar de Línguas (CIL) 2 de Brasília, na Asa Norte, para levar uma boa notícia: a estudante Dayane Aparecida Martins dos Santos, 17 anos, moradora de São Sebastião, foi escolhida para participar do programa Jovens Embaixadores. A ação leva 50 estudantes da rede pública de ensino para uma temporada de três semanas no exterior. Os outros estudantes e os professores também se supreenderam e ficaram emocionados com o anúncio ontem.

Estudante do 3º ano do Centro Educacional São Francisco, Dayane preencheu todos os requisitos e foi escolhida a primeira Jovem Embaixadora de 2017, entre quase 19 mil inscritos. “Minha mãe é dona de casa e o meu pai é motorista. Minha família é quase toda do interior de Minas Gerais, é uma conquista muito grande”, conta. A adolescente, que pretende ser professora de inglês, é monitora no CIL, voluntária de projetos culturais e membro do conselho escolar no colégio em que estuda e ativista dos movimentos negro e estudantil.

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
Além disso, faz parte do Supernova, movimento de promoção cultural de artistas regionais que promove o Domingo no Parque, evento celebrado no terceiro domingo de cada mês no Parque Ambiental do Bosque, em São Sebastião. “O espaço que estamos ocupando agora costumava ser perigoso. É um parque ecológico, mas que a comunidade não tinha acesso por medo. Começamos a fazer essa ocupação e agora é super tranquilo”, explica.

Para Dayane, a experiência será uma grande oportunidade de formação para a profissão que almeja. “Eu acho que vou aprender muitas questões culturais. Para ser professora, não posso ensinar só a linguagem, tenho que ensinar a cultura. E falar isso de experiência própria será incrível”, conta a jovem, que sonha com a seleção desde que soube do programa, há dois anos, quando conheceu estudantes americanos que visitaram o CIL. “Você só pode se inscrever enquanto estiver no ensino médio, então foi a minha última oportunidade e eu passei”, relata. A lista com os demais selecionados, incluindo outro estudante de Brasília, será divulgada hoje no site e nas redes sociais da Embaixada.

 

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
A embaixadora dos Estados Unidos, Liliana Ayalde, cumprimentou Dayane pela performance, bem como os professores que a ajudaram a alcançar o bom desempenho. Segundo ela, o engajamento social é fundamental para a seleção no programa. “Quando eles se apresentam, têm que falar do seu trabalho na comunidade. Lá, eles terão outras ideias do que podem fazer, e isso vai fortalecer suas lideranças também”, afirma. “Esse projeto realmente transforma os jovens. Ficam muito mais curiosos, abertos, preparados para o mundo. Ajuda a definir o que eles querem fazer profissionalmente e se convencem de que podem fazer o que quiserem. Abre as portas e janelas para seus sonhos”, completa a diplomata.

 

Cultura

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
O secretário de Educação do DF, Júlio Gregório Filho, esteve na escola durante a visita da embaixadora. “São alunos muito engajados, que aproveitam essa oportunidade para conhecer toda uma cultura com a qual são colocados em contato”, comentou. Letícia Curado Teles, diretora do CIL 2 de Brasília, declara que a escolha foi merecida. “A Dayane é uma aluna maravilhosa, muito dedicada”, conta. “Está sempre buscando aprender mais, transmite muita tranquilidade para os colegas quando está fazendo a monitoria”, descreve.

 

Orgulho é o que sente também a mãe de Dayane, Zildete Martins. “Acho que isso abrirá portas em todas as áreas. Ela é um exemplo tanto para a comunidade quanto para a nossa família”, comemora. Os selecionados terão as despesas custeadas pelo projeto, exceto gastos com a emissão do passaporte.


Durante o período, participarão de atividades com o objetivo de promover a liderança e o empoderamento, de reuniões com organizações do setor público e privado e do desenvolvimento de projetos sociais. Eles ficarão hospedados em casas de famílias norte-americanas e frequentarão os high school (escolas de ensino médio) americanos. Os estudantes visitarão Reno, em Nevada; Tulsa, em Oklahoma; Pensacola, na Flórida; Seattle, em Washington; e Portland, em Oregon. O destino final será Washington, a capital do país, onde apresentarão os projetos. O objetivo é que coloquem as atividades em prática ao retornar para o Brasil.
 

Para saber mais

Em busca de exemplos

Criado em 2002, o programa Jovens Embaixadores está na 15ª edição e já agraciou 467 jovens com o intercâmbio desde então. Foram 18.794 inscrições na edição de 2016. Apenas no DF, foram cerca de mil inscritos e 178 finalistas. Os 50 selecionados serão anunciados hoje pela Embaixada Americana. Eles embarcarão em 13 de janeiro, com retorno previsto para 5 de fevereiro. O projeto busca jovens que, além de inscritos na rede pública de ensino, tenham excelente desempenho acadêmico, fluência oral e escrita em inglês, estejam envolvidos em atividades de responsabilidade social e sejam de família de baixa renda. 

publicidade

publicidade