Passe livre estudantil é bloqueado no DF

Estudantes que ainda estão tendo aulas de reposição, por exemplo, não conseguiram usufruir do benefício nessa segunda (2)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/01/2017 14:01 / atualizado em 03/01/2017 22:13

Reprodução/ Metrô DF

 

O transporte do Distrito Federal continua a causar polêmica nestes primeiros dias do ano. Nesta segunda-feira (2), o passe livre foi suspenso, e os alunos que ainda estão tendo aulas de reposição, como no caso da Universidade de Brasília (UnB) que esteve ocupada durante pouco mais de um mês, foram prejudicados. O ocorrido causou pânico nas redes sociais e deu força à manifestação contra o aumento de passagem prevista para ocorrer nesta segunda-feira (2), na Rodoviária do Plano Piloto, às 17h.


O problema é maior com o aumento de passagens que teve início nesta segunda-feira: as linhas circulares internas passam de R$ 2,25 a R$ 2,50; os trajetos de coletivos de ligação curta passam de R$ 3 para R$ 3,50; e aumentam de R$ 4 para R$ 5 as viagens de longa distância e o metrô. Sem aviso prévio, os alunos foram pegos de surpresa, e caso a suspensão continue, os estudantes deverão desembolsar cerca de R$ 200 por mês — para os que vivem nas cidades satélites —, R$ 110 ou R$ 154 para os que moram no Plano Piloto; em casos de alunos que pegam mais que dois ônibus por dia, o valor pode ser triplicado. Para João Paulo Lopes, é impossível arcar com as despesas. "A UnB ainda está tendo aula por conta das ocupações, o semestre eletivo foi prorrogado até 16 de janeiro, e hoje também é dia de ajuste de matrículas do verão. Simplesmente não tem como custear as passagens até a universidade", conta chateado.

 

Pela página do Facebook, a empresa de transporte Marechal divulgou o aviso da suspensão, depois colocou uma retificação de que os cartões seriam válidos até 15 de janeiro. Porém, minutos depois, publicou uma nota dizendo que o que valia era a decisão da suspensão a partir de hoje. Os estudantes cobraram do DFTrans uma posição oficial em sua página, porém não obtiveram resposta.

 

Em nota ao Eu, Estudante, o DFTrans afirma que o afirma que o Governo de Brasília manterá o benefício para reposições de aula e cursos de verão, e que os validadores foram reprogramados para que o benefício seja garantido. O órgão pede, ainda, que os estudantes que não consigam passar o cartão no validador, pegue os dados da empresa, horário e número do veículo e informe o ocorrido pela ouvidoria, via telefone 162.

 

Confira a nota na íntegra:

 

“De acordo com o 1º parágrafo do artigo 4º, da lei nº 5.738, de 09 de dezembro de 2016, o benefício contempla, no mínimo, 27 trajetos de ida e volta por mês e por estudante, durante o período letivo. Já o artigo 23 da Portaria Conjunta nº 5, de 24 de fevereiro de 2016, determina que o Passe Livre Estudantil tem validade exclusivamente durante o período de aulas na instituição de ensino, conforme o informado na declaração eletrônica encaminhada ao DFTrans. Ou seja, o cartão é válido para meses letivos, o que não é o caso do mês de janeiro. Independentemente disso, o Governo de Brasília manteve o benefício ativo, em função de situações como reposições de aulas e cursos de verão. Para tanto, os validadores foram reprogramados, de modo que os cartões prossigam operando normalmente. Caso algum estudante não esteja conseguindo acessar os ônibus, é por uma questão de validador desatualizado. O órgão informa que está em permanente contato com as empresas de ônibus e todas elas deverão fazer a atualização do equipamento. O DFTrans pede que se algum usuário tiver problema, informe ao órgão, via ouvidoria (telefone 162). É importante citar a empresa, o horário e o número do veículo.”