VOLTA àS AULAS »

O desafio do primeiro dia em sala de aula

A fim de ajudar os filhos que se preparam para ir à escola pela primeira vez, os pais devem acompanhar o início da adaptação à nova rotina e conhecer o ambiente em que os pequenos conviverão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/01/2017 18:54 / atualizado em 18/01/2017 19:34

Ana Rayssa
Aqui em casa temos vários brinquedos educativos no espaço destinado para as meninas. Assim, elas vão interagindo entre elas e se acostumando a fazer atividades em grupo. Analisando o comportamento das primeiras duas que já estão estudando, percebi que essa interação é fundamental Caio Lima, pai de Marília e Clara e de outras duas meninas

 

O primeiro dia de aula é marcante tanto para os pais quanto para as crianças. A partir desse momento, os pequenos se tornam mais independentes e começam a trilhar o próprio caminho na educação formal. Especialistas destacam que a presença dos familiares nesses primeiros instantes é essencial e que os pais devem conhecer as instalações da instituição de ensino escolhida para os filhos estudarem. Tanto na creche quanto na pré-escola eles devem ter acesso a atividades para incentivar a percepção de espaço e desenvolver as primeiras habilidades cognitivas. O aprendizado ocorre por meio de jogos e de brincadeiras.


Uma das questões que costuma preocupar os pais é decidir com que idade matricular a criança. “Essa questão de idade exata para colocar a criança na escola  acompanha os pais desde a gestação; procura-se a melhor idade para tudo. As creches ou pré-escolas são espaços destinados à educação de crianças, desde a socialização até o preparo e desenvolvimento para uma base educacional mais sólida”, resume o psicopedagogo Alfredo Lacerda, especialista em educação da Unieuro. Ele destaca que o melhor período para colocar os filhos na escola depende de cada criança. “Não existe uma idade exata, isso vai depender muito do estímulo e da prontidão da criança. Quanto antes ela puder se socializar, frequentar o espaço escolar e introduzir as atividades educacionais apropriadas à idade, melhor será para a criança e para a família”, afirma.

 

Além de levar em conta o perfil da criança, é necessário avaliar em que tipo de ambiente ela conviverá. O especialista ressalta que a educação é formada por um conjunto de fatores, que vão definir qual será a primeira impressão do aluno. Sentir-se bem desde o primeiro dia é fundamental para que o estudante tenha uma vida escolar sem entraves. “O que se destaca nesse momento é a importância da seleção dessa instituição que recepcionará a criança. É essencial que os pais conheçam bem desde as instalações físicas, preparo e formação de profissionais, além da proposta pedagógica da escola, que, por sua vez, deverá estar apropriada à idade da criança”, completa Lacerda.


 

De acordo com a legislação brasileira, até os 5 anos de idade, as crianças podem ser matriculadas em creches e pré-escolas. Aos 6, a matrícula passa a ser obrigatória, e os pequenos ingressam no primeiro ano do ensino fundamental, independentemente de terem ou não cursado a educação infantil. No Distrito Federal, a Lei Orgânica garante a oferta de vagas em creches públicas ou privadas que têm convênio com o governo.


O webdesigner Caio Lima, 28 anos, morador do Jardins Mangueiral, não pensou duas vezes em colocar as filhas na escola o mais cedo possível. Caio é pai de quatro meninas, duas delas estudam e as outras duas, Marília, 6, e Clara Alves, 4, se preparam para ingressar na escola. Caio conta que a convivência entre as irmãs facilitou a adaptação à escola. “Nós decidimos colocar as meninas cedo na escola para elas já irem se acostumando com o ritmo do ensino. No primeiro dia, elas estranharam o ambiente, mas a adaptação foi muito rápida, por conta da convivência com as irmãs e as primas. A Marília, que tem 6 anos de idade, entrou na creche desde os dois 2 anos. Antes de irem à escola, temos uma conversa, explicamos como é a rotina e que vai ser bem divertido”, afirma Caio.

Adaptação
Para facilitar a adaptação das pequenas, Caio criou em casa um espaço com brinquedos educativos e um ambiente parecido com o da escola. O objetivo é fazer com que as crianças se acostumem com a rotina que vão ter e aprendam a conviver bem com os colegas. “Aqui em casa temos vários brinquedos educativos no espaço destinado para as meninas. Assim elas vão interagindo entre elas e se acostumando a fazer atividades em grupo. Analisando o comportamento das primeiras duas, que já estão estudando, percebi que essa interação é fundamental”, afirma. “Acredito que é por conta disso que não tivemos problemas assim que elas ingressaram na creche. A partir daí, é um caminho mais natural”, complementa.


Para o estudante, a escola se torna uma extensão de casa e do convívio social. É hora de conhecer pessoas novas, de aprender assuntos das mais diversas áreas do conhecimento. No primeiro dia, por conta do contato com um ambiente diferente daquele que está acostumada, é comum que a criança fique com receio da mudança. O professor Célio da Cunha, professor da pós-graduação em educação da Universidade Católica de Brasília (UCB), ressalta que, nesses momentos iniciais, os pais devem acompanhar os estudantes na escola. No primeiro dia de aula, é recomendável que o responsável fique algumas horas na sala de aula ou local de atividade, até que a criança se sinta confiável.


“Chorar no primeiro dia de aula é comum, e isso ocorre muito na pré-escola. O pai ou a mãe pode ficar com a criança na escola por duas ou três horas, até que ela se ambiente melhor. O responsável deve entrar na escola, interagir. A instituição de ensino precisa ter sensibilidade em relação a isso e ficar atenta a conflitos. A criança é o centro da educação. Temos que ter uma atitude pedagógica em relação a esses problemas”, destaca o professor.