Passe Livre Estudantil continua bloqueado mesmo em período de aula

Na semana passada o DFTrans declarou que o benefício seria liberado em 1º de fevereiro, mas estudantes ainda relatam problemas ao utilizarem o cartão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/02/2017 17:27 / atualizado em 01/02/2017 20:35

Gabriela Studart/Esp. Correio

 

Estudantes do Distrito Federal ainda enfrentaram problemas ao utilizar o Passe Livre Estudantil nesta quarta-feira (1/2). Na última semana, o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) declarou em nota e por e-mail que, a partir do dia 1º de fevereiro, os cartões de acesso seriam desbloqueados, normalizando o funcionamento que havia sido interrompido durante o período de férias. Mas hoje, estudantes foram surpreendidos na hora de passar pela catraca. “Deu cartão vencido. O meu cadastro está atualizado, mas tive que pagar 5 reais e andar 25 minutos para chegar a UnB”, contou o aluno Michel Oliveira.

Loiana Gonçalves, 21, acabou perdendo aula. A moradora de Taguatinga, até conseguiu passar o cartão no metrô, mas acabou barrada quando pegava um ônibus de integração para a Asa Norte. “Como recebi por e-mail que voltaria a funcionar, nem trouxe dinheiro. Por sorte, no metrô passou, aí quando deu cartão vencido, desci do ônibus e voltei para casa. Foi humilhante”, relata.

O DFTrans informou por nota que as empresas operadoras do Sistema de Transporte Público Coletivo do Distrito Federal não atualizaram a totalidade de seus validadores, conforme determinado pelo órgão. A Subsecretaria de Fiscalização, Auditoria e Controle (Sufisa) da Secretaria de Mobilidade (Semob) esclarece que os veículos que forem flagrados nessa situação serão retidos, e as empresas serão multadas, em R$900, por cada ocorrência.

O órgão ainda completou dizendo que se o cartão não estiver passando, o estudante pode fazer a denúncia na Ouvidoria, pelo número 162. Informando o máximo de detalhes, como nome da empresa, número da linha e do ônibus. Porém, ao ser questionado se os estudantes poderiam completar o percurso e sair pela porta da frente dos ônibus, o DFTrans não se posicionou.