Mochila pesada, não!

Adereço pode até parecer inofensivo, mas o excesso de peso pode causar problemas sérios à saúde dos estudantes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/02/2017 18:55 / atualizado em 03/02/2017 20:17

Gabriela Studart

 

O Colégio Maristinha, localizado na Asa Sul, realizou nesta sexta-feira blitz nas mochilas dos alunos do ensino fundamental. O objetivo da ação: verificar se o peso das mochilas está adequado. O Conselho Regional de Medicina (CRM) recomenda que o peso não seja superior a 10% do peso do estudante.

 

Segundo o professor da área de fisioterapia do Centro Universitário Estácio Ronney Jorge de Souza, é preciso evitar os problemas, causados pelo excesso de peso: “Os músculos, ligamentos e juntas da criança ainda estão em formação, assim como o restante do corpo e, por isso, é preciso tomar cuidado com o peso da mochila", diz. "A criança pode ter dores na lombar e desvio de postura devido à sobrecarga na coluna. Com o tempo pode acarretar outros problemas também."

 

Com mestrado e doutorado em ciências da saúde pela Universidade de Brasília (UnB), o especialista aconselha que a família e a escola ajudem na conscientização do uso correto do adereço. "Os pais podem auxiliar a selecionar o que é realmente necessário estar na mochila e as instituições de ensino precisam se adequar para não exigir muitos materiais em um dia só", observa.

 

Conscientização
Para evitar o uso das mochilas cheias e pesadas, o Maristinha promove, no início do ano letivo, a ação da blitz. Segundo o assistente pedagógico Ricardo Trimm, o objetivo da blitz é promover a conscientização dos alunos e a prevenção contra possíveis problemas de coluna.

Durante a blitz, o peso das mochilas foi medido e adesivos de aleta foram colocados nos materiais. Além disso, os pais receberam folhetos com orietações e informações.

Gabriela Studart


Luigi França, 10 anos, foi reprovado na pesagem. A mochila do aluno do 6° ano do ensino fundamental pesou 8 kg. Ele pesa 43kg, logo a mochila tem 3,7 kg a mais do que deveria, segundo o permitido.
— Eu trago livros, cadernos, dicionário e estojo. Vou comprar uma mochila de rodinha para não carregar tanto peso, apesar de não me incomodar com o excesso.

Gabriela Studart


A estudante do 6° ano do ensino fundamental, Rafaela Prezotte, 10 anos, foi aprovada no teste. A menina, que pesa 40 kg, carrega menos do que 4 kg na bolsa.
— Eu tinha uma mochila de colocar nas costas e decidi comprar uma de rodinha justamente por causa do peso. Hoje, não sinto mais dor.

Gabriela Studart


— Fui reprovado na pesagem. Acredito que, por ter um caderno para cada matéria, o peso ficou maior. Vou comprar um caderno de 10 matérias ou uma mochila de rodinha para aliviar o peso.
Thiago Lucas Alves, 10 anos, aluno do 7º ano do ensino fundamental, pesa 45 kg


Gabriela Studart


— Minha mochila pesou 5k e 400g e foi reprovada. Eu tinha uma de rodinha, mas este ano decidi comprar a de usar nas costas. Apesar de esse peso não me causar nenhuma dor, acho que vou voltar a usar a de rodinha.
Loyane Santos, 10 anos, aluna do 6º ano do ensino fundamental

Gabriela Studart


— Eu tento não trazer muita coisa na mochila, tanto que ela pesou apenas 700g. Comprei um caderno de 10 matérias justamente para aliviar o peso.
Rafael Modog, 11 anos, aluno do 7º ano do ensino fundamental

Dicas

Saiba como você deve arrumar a sua mochila para não ter problemas de saúde
-Peça ajuda na hora de arrumar a mochila. O adulto vai selecionar melhor o material.
-Não coloque alimentos com os livros, cadernos e lápis. O lanche precisa ser guardado, por exemplo, na lancheira.
-Tente distribuir o peso dos materiais. Você pode carregar alguns livros na mão para ajudar a balancear o peso.
-Ajuste a mochila para que você consiga ficar na postura certa.
-Ao comprar o material escolar, opte por estojo ou agenda pequenos, por exemplo.
-Se possível, use mochila de rodinhas.

Fonte: Ronney Jorge de Souza, professor de fisioterapia do Centro Universitário Estácio

*Estagiária sob supervisão de Ana Sá