SIGA O
Correio Braziliense

Estudantes enfrentam filas longas no DFTrans para liberar o uso do passe

GDF prometeu liberar o benefício no início do fevereiro, mas os alunos continuam com o acesso às catracas negado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/02/2017 13:47 / atualizado em 06/02/2017 17:14

Cartão vencido. Esta é a mensagem que muitos estudantes viram hoje (6) ao tentar utilizar o Passe Livre Estudantil (PLE) no transporte público. Por causa do problema, os postos de atendimento do DFTrans da Rodoviária do Plano Piloto ficaram lotados de pessoas que queriam uma explicação do órgão, e a fila dava voltas no terminal.


No mês passado, os alunos receberam a informação de que a partir de 1º de fevereiro todos os cartões estariam desbloqueados e o acesso às catracas liberado, porém, nem todos os cadastros foram atualizados. Sem orientação oficial, muitos chegam aos postos de atendimento instruídos por amigos na mesma situação. “Uma colega me avisou que precisava vir aqui na rodoviária apresentar o cartão para o pessoal do DFTrans regravar”, conta a universitária Kamila Sandrianne, de 19 anos, que esperou mais de uma hora pelo atendimento.

 

Quem depende do PLE diz que o problema com a situação cadastral é recorrente e que o sistema usado pelo DFTrans é falho. Lucas Dias, 18 anos, é estudante do ensino médio e mora em Samambaia e, desde o início do mês tenta utilizar o cartão, mas não tem sucesso. “Ano passado ocorreu um processo rígido de renovação do sistema e agora nós estamos tendo que passar por isso de novo”, afima.

 

A burocracia para atualizar o cadastro e os ruídos nas informações são dificuldades enfrentadas pelos beneficiados. “Todo semestre eles mudam o sistema e a gente fica perdido sem saber o que fazer. Estou há mais de uma hora esperando só para apresentar o cartão e o documento”, reclama Ângela Pires, 19 anos, estudante de psicologia.

 

Confira as fotos das filas para conseguir atendimento nos postos da rodoviária

 

Lissandra Cristina S. Castro, de 20 anos perdeu aulas na faculdade e teme que a situação não se resolva. “É constrangedor não passar na catraca por causa do cartão inválido. E se a pessoa não tiver dinheiro para pagar? Eu já passei por isso e tive que descer do ônibus”, lembra a estudante Lissandra Cristina S. Castro, 20 anos.

 

A assessoria do DF Trans ainda não respondeu aos questionamentos da equipe do Eu, Estudante.

 

Aguarde mais informações.