SIGA O
Correio Braziliense

Secretaria pune professores temporários que aderirem à greve

Sindicato negocia revogação do documento, mas Secretaria de Educação ainda não deu um posicionamento oficial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

Uma circular, emitida pela Secretaria de Estado de Educação (SEDF), foi enviada às escolas do DF nesta quarta-feira (15/3), determinando a rescisão dos contratos de professores temporários que aderirem à greve. Na manhã desta quinta-feira (16/3), representantes do Sindicato dos Professores (Sinpro-DF) se reuniram com o Subsecretário de gestão de pessoas, Isaias SIlva, pedindo a revogação da determinação.

 

De acordo com a professora e integrante da comissão de negociação do Sinpro, Rosilene Corrêa, o subsecretário se comprometeu a revogar a decisão, após uma reunião com outros representantes da categoria. Ainda segundo Rosilene, a reunião foi apoiada por cerca de 60 professores, mas tudo se deu de forma pacífica.

 

Segundo a pasta, são 3.700 professores temporários e a determinação era de que os profissionais que optassem pela paralisação teriam seus contratos cancelados e chamariam o próximo da fila de espera. Até a publicação desta reportagem, ainda não havia a informação se a circular seria, de fato, revogada pela SEDF.