Projeto cultural leva índios às escolas

Apresentações ocorreram em 23 colégios do Distrito Federal. Confira como foi o encontro na EC 410 Sul

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/05/2017 20:43 / atualizado em 15/05/2017 18:38

Gabriela Studart/Esp. CB

Você já viu de perto um arco e flecha, cocar de penas, ou alguma dança indígena? Alunos da Escola Classe (EC) da 410 Sul tiveram a oportunidade de conferir e conhecer pessoalmente mais sobre a cultura indígena no início deste mês, quando receberam o Projeto Circuito Escolas, ação que traz índios da tribo pernambucana Fulni-ô a instituições de ensino a fim de compartilhar com os jovens a história e o cotidiano do clã.


Oito índios visitaram a EC 410 Sul. O coordenador do projeto Walê Fulni-ô, Pablo Ravi, conta que a iniciativa é realizada há 20 anos no Distrito Federal e tem o objetivo de quebrar esteriótipos e ampliar o conhecimento dos estudantes sobre os indígenas. “Muitas vezes, os alunos não têm a menor noção de como é o índio e a tribo e também de que as tribos são diferentes. Cada aldeia é única. A gente tem um país muito diversificado e queremos mostrar isso”, explica.


Gabriela Studart/Esp. CB

O encontro começa com a apresentação de elementos da cultura indígena, como armas de caça e redes, além de outras explicações. O momento é conduzido por Pablo Ravi, que também é arte-educador. Depois, a vez é dos próprios fulni-ôs, que relatam o cotidiano da aldeia e fazem apresentações de dança —momento de maior animação entre as crianças.

 

Gabriela Studart/Esp. CB

“Eu gostei mais das danças, só tinha visto antes pela televisão", conta Rafaela Campos, 9 anos, aluna do 4º ano. Luiz Heidmann,10, do 5º ano, garante ter se divertido muito com os colegas. “Meus amigos dançaram e, para mim, foi o melhor”, diz.


Gabriela Studart/Esp. CB

Neste ano, as apresentações contaram com um intérprete de libras e um instrutor para crianças com deficiência visual, o que proporcionou uma experiência mais acessível e adequada para os alunos da classe especial. Ane Barbosa, 11, e Sarah Ferreira, 12, cegas, que fazem parte da turma, aprovaram o evento. Ane disse que “nunca tinha conhecido um índio antes”, já Sarah gostou dos ritmos. “Achei a música muito diferente, o que eles fizeram é muito legal”, comenta.

O cacique da tribo Fulni-ô Walê Fulni-ô reforça a importância dos alunos conhecerem as raízes indígenas do Brasil. “A gente
Gabriela Studart/Esp. CB
quebra muito preconceito com a sociedade branca e até mesmo com as crianças, que têm na mente a ideia de que o índio é estranho e mau.” Para ele, a experiência também impacta os índios. “Quando voltamos para a aldeia, é uma festa”, revela. Nas visitas, há também venda de artesanatos confeccionados pelo grupo. “Isso ajuda a levar algo para o nosso povo”, conclui o líder.

Outras escolas
Nos 20 anos do programa, o grupo cultural indígena Walê Fulni-ô fez mais de 1 mil apresentações no Distrito Federal e passou por 500 escolas. Eles vêm ao DF — e a outras capitais, como São Paulo e Curitiba — anualmente, sempre em uma data próxima ao Dia do Índio (19 de abril). Em 2017, o projeto passou por 23 escolas da capital federal de maneira gratuita, devido ao incentivo do Fundo de Apoio à Cultura do DF (FAC).

No Centro Educacional 3 do Guará, o encontro foi especial: os alunos do ensino médio debateram o preconceito e os esteriótipos com os indígenas. Na ocasião, Carla Landim, produtora do projeto, direcionou o encontro e relata a reação dos estudantes. “Falei sobre os dados de diminuição dos índios. Quando os europeus chegaram ao Brasil, havia 5 milhões de indígenas. Em 1977, eram apenas 70 mil", lembra. "Eles ficaram extremamente emocionados quando tiveram noção do que é ter uma tribo na escola e a oportunidade de ter contato com os índios. Eles dançaram e participaram, foi maravilhoso”, conta.

O grupo cultural Walê Fulni-ô deve voltar aos colégios do DF no ano que vem. Saiba mais pelo site.

 

 

 

 



*Estagiária sob supervisão de Ana Paula Lisboa