Palestra ensina alunos de ensino médio a ter postura adequada no trabalho

Mais de setenta escolas estão cadastradas para receber o ministrante

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/09/2017 20:07 / atualizado em 15/09/2017 21:54

Como forma de levar valores morais a jovens, o coach Fernando Duarte idealizou o programa [Hi]School há 12 anos. Desde então, mais de 100 mil alunos participaram do projeto. Neste ano, as palestras devem ocorrer em 40 instituições de ensino diferentes para estudantes do 3° ano do ensino médio. “A gente tenta contar aos jovens que é possível mudar o mundo”, explica ele.


Para cada escola, é escolhida uma palestra entre três opções: Jornada do Herói, Rumo ao Topo e Deixando Marcas. Todas elas abordam valores morais, princípios e legados, e todas são gratuitas. São 70 escolas cadastradas e, segundo o idealizador, sempre vão aparecendo outras interessadas. Nesta sexta-feira (15), foi a vez do colégio Santo Antônio, localizado na 911 Sul, receber a palestra. Do total de instituições atendidas, 50% são públicas e a outra metade particulares. “Os ricos e os menos favorecidos estão empobrecidos de valores. A gente vê os nossos líderes, que são das classes mais altas, miseráveis de valores”, argumenta.

 

Lanna Silveira/Esp.CB/D.A Press
 


Deixando Marcas

No colégio Santo Antônio, a palestra ministrada foi Deixando Marcas, cujo propósito é apresentar aos jovens qual a postura adequada que devem ter em contextos diferentes do cotidiano. Aluno do terceiro ano do ensino médio, Gabriel Martins, 17 anos, afirma que a palestra mostrou a ele o comportamento correto no ambiente de trabalho. "Ter comportamento adequado, ter postura firma e prezar nossos valores é algo fundamental no ambiente profissional", disse.

Lanna Silveira/Esp.CB/D.A Press

 

Luíza Helena de Araújo, 17, também aluna do terceiro ano na instituição, gostou das dinâmicas do evento. "Houve um momento em que o palestrante pediu para a gente trocar de cadeira. Muitos tiveram má vontade na atividade e, então, ele disse que se é difícil mudar de cadeira, quanto mais de postura e de caráter. Isso deixou bem claro no que a gente precisa melhorar", afirmou.

 

Lanna Silveira/Esp.CB/D.A Press
 


Dificuldades

Fernando Duarte lembra que, durante longo tempo, as despesas do programa eram bancadas pela empresa dele. Atualmente, ele tem patrocínio de uma faculdade. “Nós conseguimos patrocínio para 30 escolas, mas atendemos quase 40. Tendo estrutura, a gente tenta atender o maior número de escolas o possível. Quando não temos esse auxílio, o  número de atendimentos baixa para de sete a dez escolas”, explica.

Contudo, de acordo com Fernando Duarte, o que o move é a vontade de deixar a marca dele no mundo. “Quando pegamos as fichas de avaliação preenchidas pelos alunos e vemos o que ficou para eles da palestra, nos emocionamos e é justamente isso que eu não quero deixar morrer”, conta. “Ao longo desses anos, tivemos mais de dez jovens que mandaram cartas para nós em que diziam que iriam se suicidar e desistiram depois dessa palestra. Nós fizemos a  diferença na vida dessas pessoas”, se emociona.

Interação
As aulas são ministradas por universitários que participam de um curso de oratória oferecido por Fernando Duarte. Por meio delas eles são capacitadas a falar em público. Para participar, o estudante só tem que pagar uma taxa simbólica de R$75 a R$150, em um curso que é oferecido normalmente a R$ 2.500 para empresas. Isso tudo, Fernando explica que é para que o projeto possa ocorrer sem precisar cobrar nenhuma taxa das escolas. “O grande sucesso do nosso método é que são jovens falando para jovens”

 

 

 

*Estagiários sob supervisão de Jairo Macedo