Escolas públicas

Seminário Internacional discute papel do gestor na educação pública

Evento, promovido pelo Instituto Unibanco, reúne especialistas e diretores de escolas para discutir o tema da formação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/09/2017 11:38 / atualizado em 29/09/2017 15:00

O desenvolvimento profissional de  gestores como caminho para uma educação pública  de qualidade é o tema do Seminário  internacional  promovido pelo Instituto  Unibanco.  O evento, que começou ontem, termina nesta  quinta-feira  (28) em São Paulo  e reúne diversos gestores e secretários de educação para discutir os problemas e as soluções  que permeiam o tema.


Na abertura, estavam presentes Idilvan Alencar, do Conselho Nacional de Secretarios de Educação (Consed), Pedro Malan, do Instituto Unibanco e Vinicius Mota, da Folha de S. Paulo. Idilvan explicou que devido a experiência dele, constatou que a gestão  escolar se divide em dois blocos: gestão pedagógica  e administrativa. “Além disso, o gestor escolar tem que ter apoio da comunidade. Quando isso não ocorre é meio caminho andado para o fracasso”, afirmou. Outro ponto destacado por ele foi a autonomia escolar. “Falta também um incentivo para ser gestor”, disse se refererindo aos baixos salários  desses profissionais.

O ex-ministro Pedro Malan destacou que a atenção deve ser dada ao gestor por ele ser um dos fatores da qual depende a aprendizagem. “Eu acredito  que o maior problema do Brasil é  a educação, porque é a escola que define o que seremos e o que não seremos”, afirmou. “A gestão escolar é complicada devido a diversidade do país”, completou. Essa diversidade ficou bem claro depois da mesa 'Dia a dia da gestão escolar', que reuniu cinco diretores de escolas, de várias partes do país, que compartilharam seus dilemas e vivências.

 

Divulgação/Instituto Unibanco

Também participou do Seminário Luís Bretel, da associaçao de aprendizagem baseada em problemas e metodologias ativas de aprendizagem. Ele ressaltou que a função das escolas mudou, e os professores têm que aprender a ensinar nessa nova era. “Os estudantes iam à escola para ter o conhecimento que não tinham em outra parte, mas hoje no celular encontramos toda a informação  que queremos. Mas não sabemos usá-la, então, o professor tem que ensinar a nadar nesse mar de informação ”, disse. “Para aprender tem que ter vontade”, acrescentou.

Ricardo Henriques do Instituto  Unibanco ainda destacou que gerir uma escola não é a mesma coisa que gerir uma empresa. “Porque  escola é umlocal que o diretor tem que ser um realizador”, disse citando um dos desafios dos gestores: a evasão escolar. “A cada 100 alunos que ingressam na escola só 65 terminam o ensino  médio”, destacou. Izolda Cela, vice-governadora do Ceará ressaltou a importância  do desenvolvimento  de gestores para resolver o problema da educação. “Para desencadear mudanças isso precisa ser de forma sistêmica, por meio de diretrizes claras e metas bem definidas”, disse. O ex ministro Henrique Paim concordou com a dificuldade que os gestores enfrentam: “Os gestores enfrentam uma série de problemas e há uma prioridade as necessidades básicas da escola. Mas nós começamos a ter a maturidade de pensar uma gestão voltada para a aprendizagem”, afirmou.

No primeiro dia também houve o lançamento  do livro digital 'Ser Diretor', do fotógrafo Eder Chiodetto, que percorreu 30 escolas públicas brasileiras e retrata a realidade desses profissionais. Desses 28 estavam presentes no evento.

 

*Estagiária sob supervisão de Jairo Macedo.