Criança de 8 anos desmaia de fome em escola pública no Cruzeiro

Após atendimento por equipe da Samu, a escola acionou o Conselho Tutelar. Menino relatou que não comia desde domingo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/11/2017 21:36 / atualizado em 18/11/2017 11:09

Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A. Press
 
Uma criança de 8 anos sofreu um desmaio enquanto estava na escola. O caso ocorreu Escola Classe 8 do Cruzeiro. Segundo o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), que prestou socorreu o aluno, o desmaio ocorreu por falta de alimento no organismo. O estudante relatou ter se alimentado mal desde o dia anterior. O Conselho Tutelar foi acionado pela escola após o atendimento médico. 

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF) informou que, segundo a diretora da instituição, o menino já chegou na escola passando mal. A pasta ainda esclareceu que o estudante estava com o corpo mole quando a equipe hospitalar chegou ao local. Após exames, o técnico em enfermagem não identificou problema — o que corrobora a suspeita de falta de alimentação. Depois de a escola oferecer alimento à criança, ela se sentiu melhor e foi buscada pelo pai.
 
"A barriga dói e chega até encolher", conta um estudante de 9 anos que também alega se sentir fraco em alguns dias da semana. Relatos como esse são comuns na sala de aula Ana Karolline. "Pelo menos quatro estudantes sempre reclamam de estar com fome. Eu pego umas frutas na cantina para tentar enganar o estômago", explica a professora. "Uma vez um aluno me disse que não tinha almoço em casa, mas ele não podia me contar isso porque se não ia apanhar dos pais. O que a gente faz? O Conselho Tutelar não responde nossos questionamentos", comenta.
 
O lanche para os alunos do período vespertino é servido às 15h30 e, na segunda-feira (13/11), dia em que o estudante passou mal, era de bolacha de água e sal e suco. A mãe de uma das alunas da mesma sala do menino que passou mal defende os professores e afirma que a culpa é do Estado. "É revoltante e triste", classifica.

Os professores se organizam para conseguir suprir as necessidades dos alunos por meio de doações, mas nem sempre é o suficiente. Os estudantes do turno vespertino moram no Paranoá ou Itapoã, trajeto de 30km até a escola. Em nota, Secretaria de Educação do Distrito Federal informou que a construção de escolas no Paranoá Parque e no Itapoã constam no plano de obras 2015/2018, entretanto não há recurso financeiro disponível para as obras. Os terrenos adquiridos estão parados e aguardam verba para que as escolas sejam levantadas.

A diretora do Sindicato dos professores (Sinpro-DF) Rosilene Corrêa afirma que a entidade luta há anos para a melhoria da qualidade da alimentação dos alunos. "A gente tem esse assunto em pauta pelo menos há 8 anos. Vai e vem governo e o problema persiste”, relata.

O Ministério da Educação determina que o cardápio escolar atenda a pelo menos 20% das necessidade nutricionais diárias para os alunos matriculados em período parcial. Também em nota, a Secretaria de Educação lamentou o ocorrido informou que encaminhou nutricionistas à escola para averiguar a possibilidade de disponibilizar almoço aos estudantes. A pasta também detalhou ainda que a família do garoto recebe benefícios dos programas Bolsa Família — no valor de R$ 520 — e do DF Sem Miséria — R$ 400. 
 
 
Leia a íntegra da nota da Secretaria de Educação

Em relação ao caso do aluno que passou mal na Escola Classe 8 do Cruzeiro, na última segunda-feira (13), segue a verdade dos fatos:
 
• A criança foi atendida por uma equipe do Samu formada por um técnico em enfermagem e o motorista. Segundo relato do técnico em enfermagem, a criança estava “molinha” quando a equipe chegou. Ao examiná-la, o técnico não verificou nenhum problema. A criança, no entanto, relatou durante o atendimento que não vinha comendo bem desde domingo. A escola ofertou, então, um alimento e, após comer, a criança sentiu-se melhor. Durante o atendimento no local, a criança não sofreu qualquer desmaio. Após o atendimento, o pai foi chamado e levou o menino para casa. Na sequência, a escola acionou o Conselho Tutelar para verificar a situação da família. 
 
• A diretora da escola afirmou à Regional de Ensino que o aluno já chegou à escola passando mal e, enquanto ela acompanhou a criança, ele não desmaiou. A diretora também relatou à Regional que o aluno saiu de casa após às 12h.
 
• Os ônibus que transportam os alunos do Paranoá ao Cruzeiro são contratados pela Secretaria de Educação. São duas linhas especiais que realizam este atendimento. A que atende a escola em questão sai do Paranoá às 12h20 e retorna do Cruzeiro às 18h.
 
• A família recebe o Bolsa Família (R$ 520) e o DF Sem Miséria (R$ 400), de acordo com relato do Conselho Tutelar.
 
 
* Estagiários sob supervisão de Mariana Niederauer