ESOLAS PÚBLICAS

Itaú e Unicef premiam projetos de educação integral

Prêmio reconhece iniciativas que provam que a cooperação entre a sociedade e as escolas pode ajudar a melhorar a educação do país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/12/2017 21:51 / atualizado em 17/12/2017 15:46

 

 

Na noite desta segunda-feira (11), foram anunciados os grandes vencedores da décima segunda edição do Prêmio Itaú-Unicef, que seleciona convênios que promovem ações de educação integral. São quatro parcerias entre organizações da sociedade civil e escolas públicas: Cultura, esporte e cidadania (grande porte), de Criciúma (SC) ; Projeto Olho Vivo (médio porte), de Niterói (RJ); Aluno repórter (pequeno porte), de Bragança  (PA); e Circulando a cultura na escola (micro porte), Major Sales (RN).


Os convênios ganharão R$ 200 mil que deverão ser integralmente revertidos para os projetos; metade da verba vai para o colégio e o restante, para a instituição parceira. Foram destaque ainda projetos que receberam menção honrosa: Juventude comunica direitos, de Trairi (CE); Educação cidadã, de Florianópolis (SC); Primeiros passos na educação integral, de Getulina (SP); Cordeletrando - educar, rimar, transformar, de Campos Sales (CE); e Yvyra Yky - educação sócio-cultural-ambiental guarani Terra Vida, Viamão (RS).

"É preciso reconhecer que há boa sendo feita em termos de educação integral em  todo o território nacional. E o prêmio faz isso", disse Ítalo Dutra, chefe do Programa de Educação e Parcerias do Unicef, sobre a premiação. Para Fábio Barbosa, vice-presidente da Fundação Itaú Social, o grande objetivo do prêmio é "estimular projetos que mudem pessoas para que elas mudem o mundo".

Os ganhadores foram anunciados em evento no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo. As iniciativas foram selecionadas entre 1.651 inscritas de todo o país. Anteriormente, a organização do prêmio  pré-selecionou 96 trabalhos (e cada um recebeu R$ 20 mil para incentivar a continuidade das ações), dos quais 32 se tornaram finalistas nacionais e tiveram acesso a mais R$ 40 mil cada. Os selecionados também terão acesso a formações para aperfeiçoar as atividades executadas.

 

Entre os 96 pré-selecionados, havia três projetos de Brasília: Criança Feliz (Escola Classe 27 de Ceilândia e Ação Social Criança Feliz Notre Dame), Onda Adolescente Protagonista (CED 310 de Santa Maria, escola da unidade de internação, e Instituto de Estudos Socioeconômicos) e Clube e Escola de Rugby Samambaia (Escola Classe 501 de Samambia e Projeto  Rugby Integral).

 

Os 32 finalistas representam 30 cidades e 14 estados. O principal critério de escolha é a efetividade das ações socioeducativas. O prêmio divide os projetos de acordo com a localização geográfica em oito regionais que, apesar de receberem nomes de capitais, não se referem a apenas aquela cidade ou o estado onde ela se encontra. Confira as regionais e os nomes dos 32 projetos finalistas, seguidos pelos nomes das cidades onde se realizam.

Regional Belém
- Guaporé, Porto Velho
- Sonho Meu, Paraná (RO)
- Aluno Repórter, Bragança (PA)
- Redes de Aprendizagens - Vivências em Tutoria, Manaus (AM)

Regional Belo Horizonte

- Escola Municipal Desembargador Souza Lima, Betim (MG)
- Associação dos Moradores de Silva Campos, Pompéu (MG)
- Polifonia: o direito à comunicação é universal, Marina (MG)
- Academia de Letras Infanto-juvenil em escola pública, Santa Bárbara (MG)

Regional Curitiba
- Cultura, esporte e cidadania, Criciúma (SC)
- Educação cidadã, Florianópolis
- Yvyra Yky - educação sócio-cultural-ambiental guarani Terra Vida, Viamão (RS)
- Protagonistas em ação, Curitiba

Regional Goiânia

- Arte, circo e cidadania, Goiânia
- Formação política e socioeducativa para adolescentes, Palmas
- Recriarte - revitalizar, criar é transformar com arte, Barra do Bugres (MT)
- Arte na escola, Várzea Grande (MT)

Regional Recife
- Juventude comunica direitos, Trairi (CE)
- Cordeletrando - educar, rimar, transformar, Campos Sales (CE)
- Promovendo vivências de cidadania, Itapiúna (CE)
- Circulando a cultura na escola, Major Sales (RN)

Regional Ribeirão Preto

- Garatujas, Mogi Mirim (SP)
- Cultura e transformação, Mococa (SP)
- Primeiros passos na educação integral, Getulina (SP)
- Estação criança, Atibaia (SP)

Regional Rio de Janeiro

- A escola atravessada pelo território, Rio de Janeiro
- Projeto Olho Vivo, Niterói (RJ)
- Eu cidadão, Rio de Janeiro
- Gente é para brilhar, Rio de Janeiro

Regional São Paulo

- Construindo olhares, Embu-Guaçu (SP)
- Preservando a vida, São Bernardo do Campo (SP)
- Mediar para conviver e ensinar, Votorantim (SP)
- Construindo cultura e cidadania, São Paulo

Sobre o prêmio

Em 22 anos, o Prêmio Itaú-Unicef teve 12 edições e distribuiu mais de R$ 4 milhões para incentivar projetos de educação integral. A inciativa é fruto de parceria entre a Fundação Itaú Social e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), com coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec).

 

Na última edição do prêmio foram selecionados projetos das cidades de Diamantina (MG), Campos de Goytacazes (RJ), Diadema (SP), Parintins (AM) e Porto Alegre (RS). O Prêmio Itaú-Unicef recebe apoio do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e do Todos pela Educação. A premiação tem como parceiros União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Conselho Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Congemas) e canal Futura.

Saiba mais

Seminário de educação integral


O terceiro Seminário Internacional de Educação Integral (Siei) começa na terça-feira (12) e segue até quarta-feira (13), em São Paulo. O evento reunirá especialistas para discutir práticas bem-sucedidas de educação integral no Brasil e no exterior. Saiba mais

 

 

 

*A jornalista viajou a convite da Fundação Itaú Social