DF conquista 10 medalhas em Olimpíada Brasileira de Matemática

Foram 1.200 estudantes inscritos, do ensino fundamental ao superior. Colégio Militar de Brasília é o maior vencedor local

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/12/2017 18:53 / atualizado em 22/12/2017 19:17

A Olimpíada Brasileira Matemática (OBM), competição organizada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), divulgou os vencedores de 2017 nesta sexta-feira (22). A disputa envolve alunos de todo o Brasil, do ensino fundamental ao universitário. 

A OBM é dividida em quatro categorias: nível 1 (6º e 7º ano do ensino fundamental), nível 2 (8º e 9º ano), médio (cujo resultado será divulgado em breve) e universitário. O Distrito Federal figura na lista com 10 medalhas e mais quatro menções honrosas. No nível 1, o DF levou uma medalha de prata. No nível 2, faturou um ouro, quatro pratas e quatro bronzes. O ouro brasiliense foi de Eduardo Quirino de Oliveira, do Colégio Militar de Brasília (CMB).

Considerada a mais tradicional olimpíada da disciplina no Brasil, a OBM teve mais de 1.200 jovens inscritos. Todos os medalhistas serão convidados a participar da 21ª Semana Olímpica, a ser realizada em Maceió (AL), entre 22 e 28 de janeiro de 2018.

Representante feminina do Distrito Federal

Letícia Brandão Gonçalves, 14 anos, foi a única mulher medalhista brasiliense na olimpíada. A estudante do 9º ano do Colégio Militar de Brasília (CMB) conquistou a prata no nível 2.“É muito bom representar as meninas na competição. Ainda tem poucas mulheres, há um pouco menos de incentivo, mas tenho certeza que eventos como olimpíadas abrem muitas oportunidades”, afirma.
 
Arquivo pessoal

 
A conquista da OMB se soma a outras medalhas no currículo menina, que recentemente foi ouro na primeira Olimpíada de Matemática do Distrito Federal (OMDF) e na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), além de acumular conquistas em eventos semelhantes na área de química e de robótica. “Ela sempre gostou de área de exatas e tem muita dedicação. Essa medalha é nosso presente de natal”, diz, com orgulho, Paulo Roberto Silva, pai de Letícia. 
 
 

Treinamento intensivo rende frutos

Entre medalhas e menções honrosas, os alunos do Polo Olímpico de Treinamento Intensivo (Poti) figuram 12 vezes na lista da OBM. Fernando Cunha Cores, professor de Letícia Brandão no Colégio Militar de Brasília, ressalta que o resultado é fruto de trabalho sério do colégio e do projeto nacional, cujo braço brasiliense é coordenado por ele.

São dezenas de alunos de escolas públicas e particulares que têm aula duas vezes por semana, com rotina de quase três horas por aula, sempre com foco na OBM e OBMEP. “Este ano tivemos cerca de 200 inscrições e, em função da grande demanda, abrimos duas turmas. As medalhas e menções honrosas são resultado do trabalho que desenvolvemos, a maioria já está há três anos no programa. Eles criam autonomia, acabam buscando aprender mais assuntos para além da sala de aula. O desenvolvimento deles é claro e o futuro, brilhante.”