SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Profissão: campeão

Olimpíada do Conhecimento está de volta

Organizada pelo Senai, a Olimpíada do Conhecimento está de volta para premiar os melhores futuros operários

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/11/2012 10:37 / atualizado em 05/11/2012 09:40

Publicação: 04/11/2012 04:00

Finalistas do DF comemoram a classificação para a etapa nacional da competição, que ocorrerá de 12 a 18 de novembro, em São Paulo (Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press   ) 
Finalistas do DF comemoram a classificação para a etapa nacional da competição, que ocorrerá de 12 a 18 de novembro, em São Paulo

Há cerca de um ano e meio, atletas bem diferentes treinam nas instalações do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do DF (Senai-DF). Em vez de pistas de atletismo e quadras de esporte, a preparação ocorre em bancadas com equipamentos industriais e espaços que simulam ambientes de trabalho. O esforço tem destino certo: o pódio na Olimpíada do Conhecimento, que será de 12 a 18 de novembro, no Centro de Convenções do Anhembi, em São Paulo.

O evento, organizado a cada dois anos pelo Senai nacional, é uma competição que reúne os melhores alunos de cursos técnicos de cada estado para demonstrações de perícia e agilidade. As modalidades abrangem desde técnicas de mecânica e engenharia a procedimentos necessários em construções. Além da medalha, os campeões conquistam um lugar de destaque no mercado de trabalho.

Este ano, 18 estudantes do Senai-DF vão representar a capital na competição. Para obter o melhor resultado, a rotina de treinamento dos jovens competidores é de 12 horas por dia, até aos sábados e feriados, e inclui atividades físicas como musculação e natação, para evitar lesões e acidentes por esforço repetitivo. Depois da disputa nacional, eles sonham em conquistar o título internacional no WorldSkills, a maior competição mundial de educação profissional, que ocorrerá no ano que vem, na Alemanha.

A coordenadora regional da Olimpíada Eliséia Tavares ressalta que o evento funciona como uma vitrine para os novos talentos da indústria brasileira, e contará com a presença de muitos olheiros. “Eles já estão preparados para o mercado de trabalho. Depois da olimpíada, nem vão ter que procurar emprego, as empresas é que vão começar a ir atrás deles”, diz.

 

Geovane compete na modalidade de aplicação de revestimento cerâmico (Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press) 
Geovane compete na modalidade de aplicação de revestimento cerâmico

De olho no futuro
Como a idade máxima para participar da competição é de 21 anos, o sucesso profissional chega cedo. Os competidores Janaína Moureira, 20 anos, e Rafael Cardoso, 19, nem imaginavam que tinham um talento escondido. Os dois são concorrentes na modalidade de jardinagem e paisagismo, uma das que exigem trabalho em dupla. Estudantes do curso técnico de administração, ambos acabaram por descobrir uma atividade prazerosa e, agora, se preparam com muita disciplina para vencer. A prova consiste em montar um modelo de jardim em 22 horas, tempo dividido ao longo de quatro dias. Para cumprir o prazo e fazer tudo corretamente, é preciso dominar, entre outros fatores, conhecimentos de plantio e poda, instalação elétrica e hidráulica.

“Não quero só a medalha de ouro, quero mostrar também tudo o que aprendi aqui”, conta Janaína, que não se preocupa por ter que abdicar de horas de lazer para treinar. Seu parceiro também não economiza esforços e, apesar de morar em Águas Lindas de Goiás, chega sempre cedo. “A olimpíada é uma porta para o meu futuro profissional, e quero dar o meu melhor”, afirma ele. Após a competição, os dois jovens pretendem cursar a faculdade de arquitetura.

É com o sonho de fazer um curso superior na área de construção civil que Geovane Oliveira, 19 anos, se empenha em sua tarefa. Competidor na modalidade aplicação de revestimento cerâmico, uma atividade que exige precisão e agilidade, o jovem segue os passos de seu irmão, Jecivaldo Oliveira, que chegou ao WorldSkills em 2011 e conquistou o certificado de excelência — um diploma que atesta qualidade profissional —, além de uma bolsa integral para cursar engenharia civil. “A olimpíada é uma forma de levar a pessoa preparada para qualquer situação ao mercado de trabalho”, comenta.

 

Rafael Cardoso concorre ao prêmio na área de jardinagem  (Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press) 
Rafael Cardoso concorre ao prêmio na área de jardinagem

Sucesso internacional
A Olimpíada de Conhecimento tem levado ao WorldSkills talentos que firmaram o Brasil como referência em educação técnica. O país subiu ao pódio nas três últimas edições (ver quadro). No ano passado, os brasileiros conquistaram o segundo lugar, ficando atrás apenas da Coreia do Sul. O diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, lembra que 90% dos alunos brasileiros que estudam na instituição vêm de escolas públicas, com um ensino básico mais precário que o dos outros participantes da competição. O fato de se igualarem aos estrangeiros na educação profissional é prova de que o investimento compensa. “Quando a juventude brasileira tem oportunidade, ela a agarra com foco, e criatividade”, conclui o diretor.

O DF contribuiu para esse sucesso em 2010 com a participação de Willian Grassioti, 21 anos, que levou o ouro na modalidade mecânica de refrigeração, tanto na fase nacional quanto na internacional. Com a vitória, Grassioti ganhou uma bolsa para o curso de engenharia mecânica na faculdade e tornou-se instrutor do Senai. “Fora da olimpíada, você é visto com outros olhos, como referência na sua área”, afirma. Hoje, ele é responsável pelo treinamento do atual competidor da modalidade, Gabriel Cardoso, 19 anos, que não se intimida com a responsabilidade e diz estar preparado para a disputa. Gabriel acredita que a olimpíada será uma forma de alavancar sua carreira na área da mecânica. “Daqui a uns anos, espero estar com a vida profissional encaminhada”, resume.

Especialidades
Na Olimpíada do Conhecimento, os alunos competem em 38 modalidades. Eles precisam cumprir um projeto determinado em um prazo de 22 horas. Neste ano, o Distrito Federal contará com competidores nas modalidades de TI, solução de software, soldagem, aplicação de revestimento cerâmico, eletrônica industrial, web design, eletricidade predial, eletricidade industrial, construção em alvenaria, marcenaria, confecção de roupas, tecnologia da moda, mecânica de automóveis, jardinagem e paisagismo, mecânica de refrigeração, design gráfico, segurança do trabalho e panificação.


Desempenho invejável

O aproveitamento dos brasileiros no WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo, tem melhorado a cada ano

ANO    CLASSIFICAÇÃO    OURO    PRATA    BRONZE    CERTIFICADOS DE
                    EXCELÊNCIA
2011     2º lugar     6     3     2     10
2009    3º lugar     4     4     2     5
2007     2º lugar     2     3     4     7
2005     7º lugar     0     2     3     6
2003     12º lugar     2     0     3     7
2001     6º lugar     0     0     2     11
1999     8º lugar     2     0     1     6
1997     7º lugar     0     0     1     7
1995     3º lugar     2     1     2     5
1993     5º lugar     0     1     1     6
1991     13º lugar     0     0     2     5
1989     12º lugar     0     1     0     3
1988     15º lugar     0     0     0     0
1985     13º lugar     0     0     0     18
1983     16º lugar     0     0     0     0
Tags:

publicidade

publicidade