SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Uai, sô, vencemos outra vez!

Estudantes mineiros são bicampeões em aerodesign

Alunos da Escola de Engenharia da UFMG ganham pelo segundo ano consecutivo competição internacional de aerodesign em Forth Worth, no Texas. Após premiação, grupo comemorou quebrando protótipo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/03/2013 13:19

Estado de Minas

 

Jonhnatan Rodrigues, estudante de engenharia mecânica, faz parte da equipe Uai, Sô! Fly!!! e passa seus conhecimentos para Brunny Chalar, próxima capitã do grupo que está se formando (Maria Tereza Correia/EM/D.A/PRESS) 
Jonhnatan Rodrigues, estudante de engenharia mecânica, faz parte da equipe Uai, Sô! Fly!!! e passa seus conhecimentos para Brunny Chalar, próxima capitã do grupo que está se formando

 Já é motivo de inveja o desempenho da equipe Uai, Sô! Fly!!! (coquetel mineirês/inglês), da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerias (UFMG), com seus protótipos de aviões em competições SAE AeroDesign East no país e no exterior. É uma galera de nove jovens que acaba de levantar o terceiro troféu internacional, na cidade de Forth Worth, no Texas (EUA). Para comemorar a premiação, a turma pulou sobre a pequena aeronave, uma tradição na modalidade, e a destruiu para não ter que arcar com os custos do transporte de volta ao Brasil. Surpresos, viram os adversários, entre norte-americanos, canadenses, indianos, poloneses, mexicanos, venezuelanos e italianos, disputando os despojos para levá-los ao laboratório e tentar desvendar o segredo do sucesso mineiro. A Uai, Sô! Fly!!! está mandando ver e quem se diverte com o desespero dos rivais na luta para descobrir a tecnologia usada no pequeno avião, denominado Edson, é Jonathan Rodrigues, de 20 anos, um dos integrantes da equipe. “Olhamos para trás e os caras estavam lá, catando os restos. Foi engraçado.” Por que a aeronave vitoriosa e desmanchada na festa se chamava Edson? O jovem aluno da área espacial explica: “No ano passado, a equipe disputou a competição com um avião chamado Fred. Na montagem, antes da prova, as duas últimas letras sumiram. Ficou Ed. Este ano, juntamos às duas letras a palavra inglesa son (filho, em português) e ficou Edson, ou seja, o filho do Ed.” Só mesmo a cabeça de estudantes com idade entre 19 e 23 anos para pensar numa mistura tão curiosa. A equipe é orgulho para o Centro de Estudos Aeronáuticos da Escola de Engenharia da UFMG. Já ganhou quatro títulos brasileiros, dois deles consecutivos – 2011 e 2012 –, e três vezes o torneio internacional nos Estados Unidos, dois deles também consecutivos – 2012 e 2013. A cada temporada, a equipe se renova, com alunos das áreas de mecânica e aeroespacial. Há um rigoroso processo seletivo porque a procura pela participação no projeto é grande. Na conquista de Forth Worth, no último dia 7, a Uai, Sô! Fly!!! tinha, além de Jonathan, Fred Aride, de 22; César Caixeta, de 21; Rafael Mourão, de 21; Rodrigo Gonçalves, de 22; João Vítor Campos, de 21; Matheus Magalhães, de 21; Alexandre Martins, de 19; e Saulo Silva, de 23. Apenas Jonathan e Saulo são da mecânica.

 

Recorde Mas não é fácil chegar lá. Além do projeto, que deve seguir as normas exigidas pelo SAE Aerodesign East Competition, é preciso conseguir patrocinador. “O Edson, entre a produção, construção, transporte ao Texas e montagem, custou cerca de R$ 40 mil. Sem patrocínio seria difícil.” E valeu a pena. Além do troféu de campeão e o prêmio de US$ 1 mil, o aviãozinho de 3kg bateu o recorde mundial de transporte de peso ao voar com uma carga de 17,7kg. Foi o único presente nas seis baterias da competição, com média de dois minutos de voo em cada etapa. “Escolhemos o material a ser usado como carga e, no fim da prova, é feita a pesagem. Nós optamos por placas de aço”, explica Jonatham. O Edson tinha 3,5m de envergadura – da ponta de uma asa à outra –, motor Magnum 61 XLS de 9,9 cilindradas, com rotação de trabalho de 2 mil a 16 mil rotações por minuto. Usava como combustível 10% de nitro com 18% de óleo e era pilotado via rádio-controle. Pena que não voltou dos EUA para ser exibido como herói, mas deixou a esperança de dias melhores para os estudantes. “A vitória representa um upgrade no currículo e o reconhecimento da universidade, dos patrocinadores e dos professores, além, é claro, da repercussão nas comunidades universitárias do exterior que estiveram representadas na competição”, afirma Jonathan. Como a fila anda, outra turma já se prepara para substituir a atual na Uai, Sô! Fly!!! com a missão de manter a vitória. Entre os integrantes da nova equipe está a aluna da área aeroespacial Brunny Chalar, de 21. Será a capitã, papel desempenhado por Rodrigo Gonçalves na última conquista nos EUA. E ela não foge aos chavões usados pelos jogadores de futebol ao falar de sua expectativa. “Aceitei o desafio de ser a capitã e vou dar o melhor de mim para ajudar a levar a equipe a outras conquistas.” Que seja feliz!

Jovens levantam aeronave batizada de Edson, após serem premiados nos Estados Unidos (Uai, Sô! Fly!!!/Divulgação) 
Jovens levantam aeronave batizada de Edson, após serem premiados nos Estados Unidos
SAIBA MAIS: DESAFIO PARA ESTUDANTES O Projeto SAE Aerodesign é um desafio para alunos de engenharia. Seu objetivo é incentivar a difusão e intercâmbio de técnicas e conhecimentos de engenharia aeronáutica entre estudantes e profissionais de engenharia de mobilidade futuras por meio de aplicações práticas e da competição entre equipes. Ao participar do Projeto SAE Aerodesign o aluno está envolvido no desenvolvimento de um projeto real no mundo da aviação desde a sua concepção, detalhe de projeto, construção e testes. No Brasil, o projeto é conhecido como Competição SAE Brasil Aerodesign. Os participantes devem formar equipes que representem uma instituição de ensino superior da qual fazem parte. Essas equipes são desafiadas a cada ano com novas regras baseadas em desafios reais enfrentados pela indústria da aviação.

 

Tags:

publicidade

publicidade