Congresso reúne jovens empresários de países Ibero-americanos

Evento discutiu formas de financiamento de projetos, educação empreendedora, energias renováveis, além de internacionalização de serviços

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/09/2014 20:15 / atualizado em 23/09/2014 18:55

Congresso Ibero-americano de jovens empresários (Cije) promoveu, na manhã desta sexta-feira (19/9), debate sobre a importância do financiamento de projetos para a juventude. Um total de 50 líderes de movimentos de jovens empresários de países Ibero-americanos e de instituições estaduais participaram do painel. A discussão foi liderada por Victor Rico, representante do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), Daniela Carrera-Marquis, representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Andrea Cunha gerente comercial do Banco Santander e Carolina Valente, presidente da Federação Ibero-Americana de Jovens Empresários (Fije). O evento promoveu o intercâmbio de experiências, favoreceu os negócios entre os países Ibero-americanos e promoveu o turismo empresarial.

Além disso, o congresso , que começou na última quarta-feira (17), realizou discussões sobre educação empreendedora, energias renováveis e mesa-redondas com debates sobre a experiência da Copa do Mundo no Brasil e sobre o esporte como ferramenta de desenvolvimento social. O evento ocorreu no Centro de Convenções Ulisses Guimarães.

Bruna Furlani/D.A Press

Importância do evento

Para Carolina Valente, presidente da Fije, o congresso é importante porque apresenta casos de sucesso, fala sobre educação empreendedora e convida os participantes a trocar ideias e conhecimento sobre empreendedorismo.

Além disso, Carolina conta que o evento foi interessante porque os jovens empresários puderam conhecer os programas de sucesso para poder replicá-los nos países.

“Eu fiquei impressionada com o nível das perguntas. Foi legal porque discutimos muito sobre linhas de cooperação técnica entre os países e vimos que temos uma estrutura grande de apoio, mas que nem sempre sabemos disso”, disse.

Victor Rico, representante do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), citou um grande problema vivido na América Latina. “A América Latina é a região mais urbanizada do mundo e, ao mesmo tempo, uma das mais jovens, mas que não aproveita muito isso, já que grande parte da juventude está em empregos informais.

Por esse motivo, Victor Rico conta que é importante utilizar o empreendedorismo como forma de erradicar a pobreza e retirar os jovens que vivem em situações de vulnerabilidade social .

Presença dos que sonham alto

Felipe Manara, 19 anos, estudante do 6º semestre de administração na Universidade de Brasília (UnB) e diretor de relações institucionais da Federação de empresas juniores do Distrito Federal (Concentro), destacou os pontos altos do encontro: “O que mais me encanta são os pontos de sinergia que eu estou tendo com os demais empresários. Conhecemos pessoas que estão trabalhando para fomentar o empreendedorismo porque amam fazer isso”.

Thamilis de Queiroz, 20 anos, aluna do 6º semestre de relações internacionais da Universidade Católica de Brasília (UCB), diz que acompanhou dois painéis sobre educação empreendedora e energias renováveis e conta que levará algumas das boas ideias discutidas para a empresa júnior em que trabalha.

“Eu gostei bastante de uma ideia discutida na palestra de educação empreendedora. Lá, a gente aprendeu o café executivo, uma espécie de mini-palestra que discute algo novo. A gente está querendo levar isso para a empresa júnior de consultoria em negócios exteriores (Conex).”

Thamilis ainda diz que o mais interessante do evento é a rede de contatos que os jovens fazem e que, para o futuro, isso representa um fator marcante para abrir portas.
Tags: