Primeira repórter com síndrome de Down ganha Prêmio Cláudia 2017

Fernanda Honorato venceu na categoria Trabalho Social em premiação que ocorreu na noite de segunda-feira (2)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/10/2017 12:02 / atualizado em 03/10/2017 20:21

Em cerimônia com fortes surpresas e emoções, o Prêmio Cláudia 2017 ocorreu nesta segunda-feira (2) celebrando mulheres em destaque do país. Os trabalhos de impacto social foram subdivididos nas categorias ciências, consultora natura inspiradora, cultura, negócios, políticas públicas, revelação, trabalho social e eles por elas — essa última destinada a homens cujos trabalhos contribuem com causas femininas. A atriz Taís Araujo foi homenageada com o hors concours e subiu emocionada ao palco. A cantora Elza Soares comoveu a plateia com a música Mulher do Fim do Mundo.

Quem conquistou o prêmio Trabalho Social foi a atriz e repórter Fernanda Honorato, a primeira brasileira  com deficiência intelectual a apresentar conteúdo jornalístico no território nacional. Aos 36 anos, portadora de sindrome de down, ela viaja o país ministrando palestras sobre inclusão. “Eu tenho Down com muito orgulho. Se eu sou o que sou, devo às pessoas que acreditaram no meu sonho de romper barreiras”, disse em discurso. Na mesma categoria, no DF, a torcida era dividida também com a professora Gina Vieira Ponte, que desenvolveu o projeto Mulheres Inspiradoras, em que fortes referenciais femininos são levados à sala de aula por meio do estudo de livros e biografias. Confira aqui todas as vencedoras do importante prêmio de enaltecimento de mulheres.