SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Ensino Superior

Após greve, UnB define calendário

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão decidiu que o primeiro semestre de 2012 será concluído em 10 de outubro. Alunos e professores não perderão os recessos de fim de ano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/08/2012 10:30 / atualizado em 31/08/2012 10:33

Bruno Peres
As datas de reposição das aulas na Universidade Brasília e do calendário letivo até o fim de 2013 estão definidas. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) aprovou ontem a retomada retroativa do primeiro semestre de 2012 em 20 de agosto, além da conclusão da etapa, em 10 de outubro. O segundo período deste ano só acaba em 8 de março, com pausa para os recessos de Natal e de ano-novo (leia quadro). O esquema tradicional só deve voltar ao normal em 2014.

O encontro para decidir os parâmetros gerou polêmica. Embora a Secretaria de Administração Acadêmica (SAA) tivesse enviado uma proposta única à reunião, os membros do conselho incluíram quatro sugestões de datas para a conclusão do primeiro semestre, interrompido por uma greve que durou 89 dias. Apenas após amplo debate, o documento inicial foi aceito pela maioria. Muitos alegaram que as aulas só teriam sido retomadas realmente pelos docentes em 27 de agosto, 10 dias depois de assembleia conturbada que determinou a continuidade das atividades. Por isso, as outras sugestões.

A decisão vale para todos os cursos de graduação, pós-graduação, a distância e outros. “Essa foi uma das reuniões mais sensatas do Cepe porque trouxe o menor prejuízo para a universidade. O calendário foi pensado para que os estudantes tivessem o menor dano possível”, afirmou o decano de Ensino e Graduação, José Américo Soares Garcia. Um dos professores chegou a pedir a suspensão do segundo semestre, com a alegação de ministrar o conteúdo com qualidade. A possibilidade não foi aceita.

Integrante do conselho e professora do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Cristina Brandão afirmou que os docentes terão de se adaptar ao previsto no documento e correr para entregar as menções. “Para os que voltaram em 20 de agosto, o tempo de reposição será de sete semanas e meia. Para os que retornaram depois, um pouco menos. Foi sensato, mas deve haver uma adaptação. É uma consequência de um período de reivindicações”, disse.

Polêmica
Em 1º de junho, o Cepe publicou uma resolução em reconhecimento a greve. Esse documento suspendeu as aulas, e os professores que deram continuidade às atividades no período ficaram receosos em relação à validade delas. Mas isso não ocorreu. O conteúdo ministrado durante os três meses de paralisação poderá ser aproveitado. Uma conversa com o professor de cada disciplina pode ser determinante para tanto.

O estudante pode tentar um abono das faltas ou um acordo com a coordenação do curso. Cabe ainda o trancamento justificado da matrícula, com data prevista de realização entre 3 e 14 de setembro. Como o transtorno foi ocasionado por uma situação especial, os estudantes não terão queda no Índice de Rendimento Acadêmico (IRA). A nota demonstra todo o desempenho dele durante o tempo de ensino na universidade. Um IRA alto significa, por exemplo, que o estudante não reprovou e tirou boas notas. “Não vai atrapalhar o desempenho do aluno. Será como se ele nunca tivesse feito aquela disciplina”, relatou o José Américo. O único problema é que a pessoa deverá fazer, no próximo semestre, a matéria novamente.

Debate será no dia 5

Em menos de duas semanas, estudantes, professores e servidores técnicos administrativos escolherão o novo reitor da Universidade de Brasília (UnB). As categorias irão às urnas em 11 e 12 de setembro. A expectativa para o segundo turno é que o número de participantes seja maior do que no primeiro, quando 9.125 pessoas, entre os 39 mil eleitores em potencial, participaram do pleito. A greve acabou e os dois mais votados pela comunidade — Marcia Abrahão, do Instituto de Geociências, e Ivan Camargo, da Faculdade de Tecnologia — estão na corrida final para difundir as propostas. Além da campanha nas salas de aula, na internet e nos corredores da universidade, eles terão a oportunidade de convencer os eleitores de seus ideais em um debate único a ser realizado na próxima quarta-feira, em 5 de setembro. Em duas horas, os postulantes se apresentarão, responderão perguntas da comunidade e dos representantes dos três segmentos. Além disso, poderão trocar questionamentos entre si, com direito a réplica e a tréplica. O encontro será no Centro Comunitário, às 17h. A exemplo do primeiro turno, o resultado do vencedor será divulgado no dia seguinte à consulta, em 13 de setembro. Depois disso, o Conselho Universitário (Consuni) se reunirá para decidir se vai ou não adotar o nome do eleito. Até 17 de setembro, a lista tríplice com os três mais votados será encaminhada ao Ministério da Educação. O órgão é o responsável por entregar o documento à Presidência da República, que indicará o vencedor. Historicamente, o primeiro colocado após consulta à comunidade é o escolhido.

Excelência
O atual reitor, José Geraldo de Sousa Júnior deixa o cargo em 18 de novembro, quando será realizada a posse do novo escolhido para ocupar a cadeira mais importante da instituição. Durante toda a campanha, os candidatos Marcia Abrahão e Ivan Camargo adotaram uma postura de tranquilidade e de divulgação de propostas sem ataques a concorrentes. Uma das coincidências entre o plano deles é promover a união na UnB e o compromisso com a excelência acadêmica. (MA)

Tags:

publicidade

publicidade