SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Tragédia em Santa maria

Emoção e apoio no retorno às aulas

Ato ecumênico com cerca de 3 mil participantes marca a volta das atividades na universidade que perdeu 116 alunos no incêndio da boate Kiss. Instituição contrata equipe especializada para atendimento aos estudantes e promete construir um memorial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/02/2013 08:00 / atualizado em 05/02/2013 11:54

Renata Mariz


Na homenagem aos mortos do incêndio em Santa Maria, 116 velas foram acesas para simbolizar as vítimas e passadas de mão em mão (Wesley Santos/Agência O Globo) 
Na homenagem aos mortos do incêndio em Santa Maria, 116 velas foram acesas para simbolizar as vítimas e passadas de mão em mão

 

O ato ecumênico que marcou o retorno das aulas na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), depois da interrupção do calendário devido ao desastre na boate Kiss, reuniu cerca de 3 mil pessoas. Lágrimas, emoção e fé deram o tom da homenagem feita por alunos, professores e funcionários às vítimas da tragédia, ocorrida há nove dias, com saldo de 237 mortos e 93 feridos, conforme o último boletim. Para representar cada um dos estudantes da instituição que não sobreviveram ao incêndio, foram acendidas 116 velas, que passaram pelas mãos dos presentes. A maior parte deles fazia o curso de agronomia.

A celebração, guiada pelo padre Francisco Bianchin, também contou com representantes da Igreja Luterana, Igreja Carismática de Jesus Cristo, Protestantes e Comunidade Judaica, segundo a assessoria de imprensa da UFSM. Ao saudar os estudantes, o reitor Felipe Martins Müller pediu a eles que reunam forças para retomar as atividades cotidianas. “Bom-dia a todos. É isso o que os funcionários e professores devem dizer a todos, a partir de hoje. É preciso continuar em nome daqueles que partiram e para aqueles que seguem lutando pela vida”, disse. Emocionado, o padre Bianchin consolou os alunos. “É a luz da fé que iluminará o caminho de todos”, disse.

Para receber os estudantes ainda traumatizados pela tragédia, a UFSM decidiu fazer o acolhimento coletivo, com o ato realizado ontem, mas destacou grupos menores de professores e técnicos administrativos para continuarem atuando. De acordo com a pró-reitora adjunta de Assuntos Estudantis, Marian Moro, a ideia é chegar individualmente aos alunos mais atingidos pela perda de amigos e colegas. Algumas turmas ficaram com mais de 10 carteiras vazias a partir de ontem.

O Centro Multiuso localizado ao lado da reitoria, usado para a celebração ecumênica de ontem, ficará aberto com equipes preparadas para apoiar psicologicamente qualquer membro da comunidade universitária que o procurar. Além de equipes da própria instituição, a UFSM informou ter contratado oito psicólogos, oito assistentes sociais, duas pedagogas e uma educadora especial. Müller ressaltou que o auxílio é necessário. “Estamos todos tristes e necessitando de carinho e ajuda”, disse, durante pronunciamento.

Na porta da universidade, alunos se emocionaram. Algumas turmas terão mais de 10 carteiras vazias (Wesley Santos/Agência O Globo) 
Na porta da universidade, alunos se emocionaram. Algumas turmas terão mais de 10 carteiras vazias

Homenagem
A UFSM construirá um memorial para lembrar os 116 alunos da instituição que morreram no incêndio da boate Kiss. O anúncio foi feito pelo reitor da instituição, Felipe Müller, durante o ato ecumênico realizado ontem na volta às aulas. Ele informou que confiará aos alunos do curso de arquitetura o projeto do espaço que servirá de homenagem aos jovens vitimados no incêndio da casa noturna. Mas não entrou em detalhes sobre que lugar do câmpus abrigará o memorial nem quando ele ficará pronto.

Ainda há 93 feridos internados em hospitais de cinco cidades do Rio Grande do Sul, dos quais 29 respiram com ventilação mecânica. A 237ª morte foi confirmada na noite de sábado. O administrador Bruno Portella Frick não resistiu às graves queimaduras. Ele estava internado em Porto Alegre. O corpo do rapaz de 22 anos foi enterrado na manhã de ontem, sob forte comoção de parentes e amigos. A namorada de Bruno, Jéssica Duarte, conseguiu sair da boate com vida, apesar de ter queimaduras. Na confusão, perdeu-se do jovem. Os dois foram à casa noturna para comemorar o aniversário dele.

“É preciso continuar em nome daqueles que partiram e para aqueles que seguem lutando pela vida”

Felipe Martins Müller, reitor da UFSM

93
Quantidade de feridos ainda internados em hospitais do estado

Aluna morta em acidente

Nascida em Santa Maria (RS), Jéssica de Lima Rohl, 21 anos, foi convencida pelo namorado, Adriano Veber Stefanel, 20, a não ir à boate Kiss na noite do incêndio. Os dois, porém, morreram em um acidente de carro, no último sábado, em Toledo, interior do Paraná. Segundo o agricultor Itamar Pellizzaro, 37, que reconheceu o corpo da moça a pedido de parentes, Adriano tinha pedido à namorada para não ir sozinha à casa noturna, já que ele estava viajando. Jéssica participava da comissão organizadora da festa universitária.

Tags:

publicidade

publicidade