SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Califórnia

Pernambucano conquista bolsa integral em curso oferecido por universidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/03/2013 13:33 / atualizado em 26/03/2013 13:35

Diário de Pernambuco

Dulce Reis/DP/D.A.Press
Ter trabalhado na criação de uma ferramenta que traduz o português para a Língua Brasileira de Sinais (Libras) foi um dos passos fundamentais para que o pernambucano João Paulo Oliveira, 25 anos, conquistasse uma vaga na Singularity University, nos Estados Unidos. A instituição que une inovação, tecnologia e empreendedorismo, conhecida como universidade do Google, pois a multinacional está entre as empresas fundadoras, fica no Vale do Silício, nos Estados Unidos, e funciona dentro do campus da Nasa. A conquista da vaga, com direito a bolsa de estudos integral no valor de 30 mil dólares, foi recebida pelo cientista da computação na última segunda-feira (25). O curso Global Studies Program (GSP) será iniciado no próximo dia 15 de jullho.

Para participar da seleção, realizada em São Paulo, João Paulo tinha que apresentar um projeto capaz de mudar a vida de 1 milhão de brasileiros. Assim, o cientista da computação formado na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) apresentou o Prodeaf. A ferramenta foi criada para traduzir para Libras o conteúdo de sites e um aplicativo para celulares com o objetivo de intermediar a comunicação entre surdos e ouvintes.

João Paulo apresentou o Prodeaf para 12 jurados durante a seleção, disputada entre 130 inscritos. “O programa oferece bolsas específicas para países em desenvolvimento. É tudo muito concorrido, mas eu conquistei a vaga do Brasil”, explica. Agora, os desafios serão numa escala maior.

O principal objetivo do GSP é desenvolver iniciativas que possam mudar positivamente a vida de 1 bilhão de pessoas. “Vou trabalhar em um novo projeto criado lá mesmo”, explica João Paulo. E haja trabalho, pois quem faz parte do Global Studies Program praticamente não sairá do campus da Nasa. “É muito intenso e rígido. Serão 10 semanas com aulas e treinamentos durante 13 horas por dia. Vou dormir, tomar café-da-manhã, almoçar e jantar por lá mesmo”, conta.

E o trabalho que ajudou João Paulo a chegar até o campus da Nasa não será deixado de lado. Enquanto o cientista estiver no GSP, as outras 11 pessoas que trabalham no Prodeaf seguirão desenvolvendo, melhorando e vendendo a ferramenta. “Devo ir para os Estados Unidos uma semana ou 10 dias antes só para apresentar o Prodeaf a outros profissionais e investidores”, explica.

Perguntado sobre como conseguiu conquistar uma vaga em um dos programas mais disputados do mundo, João Paulo explicou que foi uma série de fatores. “Desde a criação e desenvolvimento do Prodeaf, a apresentação do projeto na Campus Party Recife, a conquista de uma vaga na aceleradora de startups Wayra no Brasil. Com isso, apresentei aos jurados resultados concretos, que já tinham saído do papel. A soma desses fatores foram fundamentais”, conta.

Disputa

A vaga de João Paulo no GSP foi conquistada através do Call to Innovation, um concurso cultural criado pela Faculdade de Informática e Administração Paulista (Fiap) em parceria com a Singularity University. O principal objetivo é promover o empreendedorismo. A iniciativa é aberta a todos os brasileiros e naturalizados, residentes no território nacional, acima de 18 anos e que estejam cursando ou já tenham concluído o ensino superior.
Tags:

publicidade

publicidade