SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Jovens pesquisadores brasileiros competem por US$ 4 milhões nos EUA

Feira internacional de Ciência e Tecnologia da Intel premiará os melhores projetos de iniciação científica

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/05/2013 15:46 / atualizado em 15/05/2013 16:59

Gustavo Aguiar

Luis Eduardo Selbach/ Divulgação
Phoenix, EUA - Após meses de estudo e dedicação, o futuro dos 28 brasileiros do ensino médio selecionados para participar da Feira internacional de Ciência e Tecnologia da Intel (Intel Isef 2013) começa a ser definido nesta quarta-feira (15/5). A feira é a maior do segmento pré-universitário do mundo, e deve oferecer aos melhores projetos de iniciação científica bolsas de pesquisa e de estudos que totalizam US$ 4 milhões.

Nesta quarta, cada projeto deverá ser apresentado a pelo menos cinco jurados ligados à Intel e a universidades e institutos norte-americanos. Eles vão avaliar o nível de inovação, abrangência e de viabilidade da pesquisa. Os que mais se destacarem serão premiados com bolsas de pesquisa e de estudos em universidades americanas. Neste ano, os jovens cientistas de mais de 70 países concorrem por cerca de US$ 4 milhões.

A delegação brasileira chegou no sábado à capital do estado do Arizona, no sul dos EUA, onde o evento está ocorrendo. As equipes devem regressar ao Brasil na sexta-feira, logo após o anúncio dos nomes dos grandes ganhadores. Para aliviar a tensão do "dia D", eles participaram nos últimos dias de atividades de integração entre os 1,6 mil jovens de mais de 70 países que integram a competição. Ontem, os competidores assistiram a uma tradicional partida de beisebol em um dos principais estádios do país.

"A ansiedade é enorme, mas o mais importante é que conseguimos chegar até aqui. Estamos concorrendo com os melhores secundaristas do mundo, e não é fácil", avalia o mineiro Cristopher Rezende, 16 anos, momentos antes de seguir para a avaliação. Ele foi selecionado pela segunda vez para a Intel Isef pela pesquisa que desenvolve em equipe sobre o potencial medicinal da erva pariri. A visita dos jurados aos stands da feira ocorre a portas fechadas, e a apresentação deve ser feita toda em inglês. A feira será aberta ao público somente a partir de amanhã.

Delegação animada
"Hello, Brazil", cumprimentam os americanos, mexicanos, franceses e japoneses quando veem passar a delegação brasileira selecionada para participar da Intel Isef 2013. Os 28 estudantes, vestidos com as cores da bandeira brasileira, chamam a atenção dos participantes da maior feira pré-universitária do mundo.

"Apesar dos bons resultados na última edição, nós brasileiros sempre chamamos mais atenção pela animação. Espero que, nesse ano, a gente consiga o mesmo destaque na competição também", torce o gaúcho Douglas Vallada, 19 anos.

Douglas trouxe à feira um projeto de reutilização dos resíduos de poliuretano, material muito utilizado na fabricação de sapatos, e que é altamente poluente. Alguns países proibiram a importação de materiais que usem o componente por causa dos danos que ele pode causar à natureza.

"O resíduo do poliuretano, por ser bastante resistente, pode ser reutilizado na construção de casas populares, por exemplo. Além de ser uma boa alternativa ao gesso, é mais barato e tem propriedades que ajudam a evitar incêndios", garante o jovem pesquisador.

Jovens cientistas

"O nosso objetivo principal é inspirar a juventude por meio de um modelo de educação pela ciência que vai alem do método tradicional. Queremos identificar e reconhecer os jovens que, com criatividade e inteligência, vão traçar o futuro do conhecimento e da pesquisa científica no mundo" explica Wendy Hawkins, diretora executiva da Intel Foundation, que organiza o evento.

Os 17 projetos selecionados para representar o Brasil ajudam a resolver problemas que a ciência se questiona há anos. Os projetos abordam questões como pesquisas sobre o aquecimento global e fontes alternativas de combustível, inovações em engenharia resultando na melhoria da funcionalidade robótica, estradas mais seguras e avanços em medicina.

Eles foram selecionados por se destacarem durante duas maiores feiras pré-universitárias do Brasil: a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace) de São Paulo e a Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (Mostratec) de Porto Alegre (RS). A feira está na 64ª edição e recebe, este ano, mais de 1.500 jovens cientistas de todo o mundo. No ano passado, nove projetos do Brasil foram premiados.

 

O repórter viajou a convite da Intel

publicidade

publicidade