SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Fenam diz que balanço do Mais Médicos mostra consciência da classe

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/07/2013 09:52 / atualizado em 30/07/2013 09:54

O presidente da Federação Nacional de Medicina (Fenam), Geraldo Ferreira Filho, disse nesta segunda-feira (29) que o balanço do Programa Mais Médicos mostra uma consciência de classe dos profissionais. O Mais Médicos totalizou 3.891 médicos com diploma brasileiro que confirmaram a inscrição. Dos 1.920 médicos com diploma estrangeiro que se inscreveram, 766 confirmaram a inscrição. Os estrangeiros tem até 8 de agosto para concluir a entrega dos documentos.

“Há consciência da classe de que não pode ser explorada. Acho que isso está bem firme no ideário do médico brasileiro. E nem permitir que o médico estrangeiro venha servir de mão de obra escrava no Brasil. Há uma rejeição a isso”, disse Geraldo Ferreira a jornalistas.

O presidente da Fenam negou que as entidades médica tenham se organizado para atrapalhar o programa. Durante o período de inscrições, o Ministério da Saúde suspeitou que profissionais estavam se inscrevendo apenas para tumultuar o processo e pediu apuração da Polícia Federal. Em balanço divulgado na última sexta-feira (26), o ministério registrou que, dos 18.450 inscritos, 8.307 apresentaram números inválidos de registros em conselhos regionais de Medicina.

“Por parte da entidade médica não houve qualquer incentivo a isso. Se fôssemos fazer um boicote diríamos que os médicos não se inscrevessem porque estamos combatendo o plano às claras”, disse Geraldo Ferreira Filho. Para ele, com o avanço das discussões, os médicos foram compreendendo melhor o programa e concluindo que não seria uma boa opção.

O balanço do Mais Médicos foi apresentado hoje pelo secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mozart Sales, ao participar de audiência pública no Conselho Nacional do Ministério Público. O evento reuniu representantes de entidades médicas como a Fenam e o Conselho Federal de Medicina e representantes dos ministérios da Saúde e da Educação.
Tags:

publicidade

publicidade