SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Advertência ao La Salle

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/07/2013 11:27 / atualizado em 30/07/2013 11:29

Thaís Paranhos

A unidade de Águas Claras da Escola La Salle foi advertida publicamente pelo Conselho de Educação por certificar, de forma irregular, a conclusão do ensino médio de uma aluna para que ela pudesse se matricular na UnB. Além disso, o conselho solicitou à Coordenação de Supervisão Institucional e Normas de Ensino (Cosine/Suplav) que faça inspeção na unidade para verificar se a certificação de alunos concluintes do ensino médio nos últimos três anos ocorreu dentro dos princípios legais. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal da última sexta-feira.

A irregularidade teria ocorrido em 2012, quando uma estudante da escola foi aprovada na UnB sem concluir o ensino médio. Para conseguir a matrícula, a jovem entrou com um mandado de segurança contra o reitor da universidade. Ela obteve liminar favorável, com base em uma declaração da escola de que reunia as condições objetivas de concluir o 3º ano do ensino médio naquela data.

No entanto, a decisão de promover a estudante, tomada pelo Conselho de Classe do La Salle, não foi reconhecida pela Secretaria de Educação. “As escolas só podem certificar um aluno se ele for superdotado. Mas esses casos são detectados nas séries iniciais e não faltando seis meses para concluir o ensino médio”, explica o presidente do Conselho de Educação, Nilton Alves Ferreira. “O que existe hoje, em Brasília, é uma cultura de pegar o aluno e jogar no ensino superior sem qualquer amparo legal. Culpo a UnB por isso. Se, no vestibular do meio do ano, ela fizer constar no edital a exigência de apresentação do certificado de conclusão do ensino médio, isso acaba”, defendeu.

O diretor da Escola La Salle, Irmão Valdemiro Titton, reconheceu que a aluna foi promovida para conseguir se matricular na universidade. “A escola agiu dentro do que era feito tradicionalmente. Mas, desde o ano passado, o conselho entendeu que não poderia mais fazer”, garantiu.
Tags:

publicidade

publicidade