SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

CE aprova marco regulatório para universidades comunitárias

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/09/2013 14:54 / atualizado em 03/09/2013 14:57

Agência Senado

Geraldo magela/Agencia Brasil
A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) aprovou, nesta terça-feira (3), parecer favorável ao Projeto de Lei da Câmara (PLC) 1/2013, que regulamenta o funcionamento das Instituições Comunitárias de Educação Superior - ICEs. Pela proposta, essas entidades são autorizadas a receber diretamente recursos públicos para suas atividades. As verbas repassadas pelo Poder Público deverão ser aplicadas na prestação de serviços gratuitos à população. Atualmente, não há previsão legal para esse tipo de transferência.

De autoria da então deputada Maria do Rosário, a proposta também descreve algumas características básicas para a qualificação das universidades comunitárias: constituição na forma de associação ou fundação de direito privado; patrimônio pertencente à sociedade civil ou ao Poder Público; não distribuição da sua renda; aplicação integral dos recursos nas suas atividades; e desenvolvimento permanente de ações comunitárias.

Os ICES foram estabelecidos na década de 1930, com a criação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Nas décadas seguintes, novas instituições de ensino superior foram inauguradas com o apoio da sociedade civil, comunidades religiosas católicas e evangélicas. O projeto segue agora para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) em decisão terminativa.

O relator da proposta na CE, senador Paulo Bauer (PSDB-SC), disse esperar que a CCJ aprove a matéria. Ele contou que em Santa Catarina, onde há o maior número de estudantes universitários do Brasil em relação ao total da população, esse fato se deve principalmente às instituições comunitárias.

- Todo aluno paga para estudar nessa instituição. Agora, o que não é concebível e aceitável, que não depende do governo para funcionar, que cobra do aluno que paga com empenho, não possa realizar convênios e receber recursos públicos para prestar até serviços ao próprio governo, em condições muito favoráveis: com custos muito inferiores e com qualidade muito maior – disse Bauer.

A senadora Ana Amélia (PP-RS) também celebrou a aprovação do projeto.

- O meu estado é um estado onde as universidades chamadas comunitárias floresceram graças a uma união e a uma parceria muito especial e solidária até da comunidade, dos líderes, sejam eles da área acadêmica, ou política ou profissional, para suprir a falha que o estado não conseguia atender no ensino superior – contou a senadora gaúcha.
Tags:

publicidade

publicidade