SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Pesquisadora desenvolve kit de diagnóstico precoce da dengue

Mestranda da Faculdade de Saúde cria kit que poderá diagnosticar dengue nos primeiros dias após surgimento dos sintomas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/09/2013 19:27 / atualizado em 16/09/2013 19:40

Agência UnB

Melina Fleury/Facto Agência
Raissa Allan Santos Domingues desenvolveu, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), um protótipo de kit que pode identificar a presença de dengue a partir do terceiro dia da infecção. O novo método detectou a doença em 96,4% das amostras em que foi testado, nas quais a epidemia já estava confirmada. O estudo foi desenvolvido nos últimos dois anos, nos laboratórios da Faculdade de Saúde da Universidade de Brasília e na capital do Rio de Janeiro. Orientada pelo professor Tatsuya Nagata, especialista em Virologia Molecular, Raissa Domingues concluiu o mestrado em Patologia Molecular.

Embora ainda precise de ajustes, o kit de diagnóstico precoce da dengue representa grande avanço no combate à doença, já que os exames utilizados atualmente só conseguem identificar a epidemia a partir do sétimo dia; antes disso, em geral, a sorologia não revela alterações. O diagnóstico precoce permite que a dengue seja tratada prévia e corretamente e pode evitar que ela seja confundida com outras patologias ou que evolua para o estágio hemorrágico, mais grave.

O kit é composto por antígenos da proteína NS1, que detectam os anticorpos produzidos pelos pacientes infectados. Existem quatro tipos diferentes da doença; a pesquisa não incluiu o primeiro, mas o resultado com amostras da dengue tipo 4 foi positivo, com mais de 98% de acerto.

Além de possibilitar melhorias no sistema de saúde pela rapidez dos resultados, o kit também pode representar uma solução econômica viável para o diagnóstico precoce da dengue. Embora a análise de custos ainda não tenha sido realizada, Raissa Domingues estima que a diferença de preço entre o kit que desenvolveu e os que já existem deve ser “significativa”, pelo fato de o primeiro ter sido produzido no Brasil, e não no exterior.

O kit também conseguiu identificar amostras de febre amarela, rubéola e sarampo. Para prosseguir com o aprimoramento do projeto, Raissa pretende viajar para o Rio de Janeiro, onde retoma os testes com o kit de diagnóstico da dengue. O estudo também teve participação de Flávia Barreto e Monique Lima, da Fiocruz, e Daniel Mendes, da UnB.
Tags:

publicidade

publicidade