SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

OCUPAÇÃO DA REITORIA

Reitor da UnB diz que estudantes não querem negociação

Alunos da assistência estudantil ocuparam o prédio ontem à tarde. Segundo Ivan Camargo, os manifestantes querem derrubá-lo do cargo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/09/2013 12:36 / atualizado em 18/09/2013 13:13

Marcelo Feerreira/CB/DA Press
O reitor da Universidade de Brasília (UnB), Ivan Camargo, convocou coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (18/9) para falar sobre a ocupação da reitoria pelos estudantes do Centro Acadêmico da Assistência Estudantil (Cassis). De acordo com ele, nas últimas seis semanas esteve em curso um processo de negociação, mas não foi possível entrar em consenso porque o debate teria tomado contornos políticos. "Os estudantes me falaram que não queriam negociação e que queriam derrubar o reitor", afirma.

Ivan Camargo relatou que estava na porta da sala dele no momento da ocupação e que foi abordado de maneira agressiva pelos manifestantes. Segundo o reitor, os estudantes apontaram os dedos para o rosto dele e seus óculos chegaram a cair. Ele disse que se retirou da sala porque quer levar a negociação com muita serenidade, mas que não vai abrir mão da lei.

Entre as principais reivindicações do movimento estão a isonomia entre calouros e veteranos para a assistência estudantil, a volta do atendimento médico gratuito no Hospital Universitário (HUB) e a manutenção da assistência aos alunos em desligamento. Essas três pautas serão analisadas no Conselho de Administração (CAD) nesta quinta-feira (19), segundo o reitor, que também disse estar aberto ao diálogo.

Integrantes do movimento que continuam a ocupação do prédio alegam que ainda não foram procurados pela reitoria. "O reitor desocupou a nossa sala no ICC convencido de que isso iria desmobilizar o movimento, mas isso gerou grande revolta, por ser uma atitude autoritária. Temos três pautas principais de reivindicação e, quando elas forem atendidas, aceitaremos a sala que foi oferecida", afirma Luth Laporta, estudante do 5º semestre de serviço social e integrante da Assembleia Nacional dos Estudantes - Livre (Anel), que apoia o Cassis.

Por volta das 12h30, outro grupo de cerca de 20 manifestantes começou um catracaço no Restaurante Universitário (RU). Eles impedem os funcionários de cobrar a entrada no RU e alguns estudantes estão fazendo as refeições de graça.

Entenda o caso
Os estudantes do Cassis estavam ocupando a sala BT 260 do Instituto Central de Ciências (ICC Sul) desde 14 de agosto. Na tarde dessa terça-feira (17), no entanto, por volta das 15h, a polícia cumpriu uma ordem de reintegração de posse. Policiais à paisana pediram que os manisfestantes se retirassem e não houve confronto. A universidade ofereceu a possibilidade de o Cassis usar duas salas como sede, uma no subsolo e outra no mezanino do ICC.

Com informações de Manoela Alcântara

publicidade

publicidade