SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Funcionários da BCE reivindicam mais segurança

Furtos são comuns nas dependências da biblioteca. Funcionários reclamam que têm que tratar diretamente com infratores e exigem mais vigilantes no local

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/12/2013 13:39 / atualizado em 02/12/2013 14:34

Agência UnB

Funcionários decidiram interromper atendimento da Biblioteca Central dos Estudantes da Universidade de Brasília (UnB) ao público por um dia para protestar por mais segurança. Veja a nota divulgada por equipe da unidade: "Devido ao número de furtos que tivemos dentro da BCE e da exposição de nossos funcionários diretamente com os meliantes, nós, servidores do atendimento, faremos uma paralisação simbólica de um dia no atendimento pessoal ao público em protesto à falta de segurança na BCE. Nenhum colaborador será dispensado do seu horário normal de trabalho. Estaremos disponíveis para atendimento pelo email informacoes@bce.unb.br e pelo telefone 3107-2676 ou 3107-2680. Os problemas de segurança na UnB são constantes, mas na biblioteca isso tem se acentuado por ser um local propício a furtos rápidos e de alta rentabilidade, pela grande concentração de notebooks e celulares e pela ausência de qualquer controle de segurança. A BCE já é um ponto conhecido por quadrilhas que vêm apenas para furtar, sem necessitar de armas ou outros aparatos de coação, o que torna a ação pouco suspeita e muito segura para os ladrões. Dessa forma, ao sermos acionados pelos usuários, temos que lidar diretamente com o meliante. Pior ainda, temos que dar um jeito de segurá-lo até a polícia ou segurança chegar ao local. Assim, vários estagiários, servidores e usuários já tiveram que ficar cara a cara com pessoas altamente perigosas, e precisavam identificá-los como um possível suspeito ou não. Em vista dessa situação perigosa e desconfortável, pedimos a compreensão de todos os usuários, que são vítimas, e dos colaboradores, que devem servir a este público da melhor forma possível, com segurança e excelência nos serviços. Quanto à legislação para a compra de equipamentos de segurança, na lei 8.666/93 é previsto que: "Art. 24. É dispensável a licitação: (...) IV - nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos contratos;" Assim, exigimos uma resposta objetiva da Reitoria quanto a este problema. Enquanto as licitações andam a passos lentos, precisamos emergencialmente da presença de seguranças da UnB dentro da BCE, assim como já ocorreu emergencialmente em 2012." Atenciosamente, Marcelo, Larissa Silva, Larissa Sampaio, Romélio, Diule, Nea Macedo, Claudinei, Mara, Luciana.
Tags:

publicidade

publicidade