Pauta dos servidores será debatida no Consuni

Em reunião com reitor Ivan Camargo, ficou decidido que reivindicações da categoria serão levadas ao Conselho Universitário

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/04/2014 19:10

Agência UnB

Isa Lima/UnB Agência
O reitor Ivan Camargo recebeu na tarde desta sexta-feira (4) o comando de greve dos servidores técnico-administrativos da Universidade de Brasília. Durante a negociação, ficou decidido que a pauta de reivindicações dos grevistas será levada à reunião do Conselho Universitário, no dia 25 de abril.

O encontro desta sexta-feira (4) foi o primeiro com a presença do reitor. Ao comando de greve, Ivan Camargo reiterou que está aberto ao diálogo, mas que não pode negociar as questões que foram ratificadas pelos conselhos superiores da Universidade.

“O movimento está se colocando contra decisões dos órgãos colegiados. Temos, por exemplo, uma determinação do Conselho de Administração para implantar o ponto eletrônico. Não é a opinião do reitor que vocês têm de mudar”, ressaltou.
Entre as reivindicações do comando de greve estão a flexibilização da jornada de trabalho para 30 horas semanais, a prorrogação da demissão dos servidores precarizados e não colocação do ponto eletrônico.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Universidade de Brasília (Sintfub), Mauro Mendes, considerou a conversa um avanço. “Iremos recolocar nossas reivindicações na pauta do Consuni”.

Durante a reunião, Mauro solicitou ao reitor a manutenção dos trabalhadores Sicap. “Queremos que a administração assuma o compromisso de tentar, junto aos órgãos de controle, prorrogar o prazo, para não demitir nesta gestão. Concordamos e defendemos o concurso público, mas, como sindicato, não podemos defender a demissão de trabalhadores”.

Em relação à flexibilização da carga horária, a integrante do comando de greve Susana Xavier entregou um requerimento para que a resolução sobre o tema seja revista. “Pedimos sensibilidade aos gestores para essa situação. Não é a lei que está cerceando, é a resolução. Queremos que ela seja refeita”, salientou.
Tags: