SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Atleta paraplégico pede apoio para competir

Fabrício precisa reunir R$ 5 mil até 12/9 para participar do Campeonato Brasileiro de Paracanoagem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/09/2014 16:43

Fabrício perdeu os movimentos das pernas há 2 anos e hoje sonha em entrar para a Seleção Brasileira de Paracanoagem
Primeiro lugar na competição Regata Batalha Naval do Riachuelo, que ocorreu em Brasília em junho de 2014, o atleta brasiliense de paracanoagem Fabrício Amorim, 25 anos, classificou-se para participar do Campeonato Brasileiro de Paracanoagem, que ocorre de 25 a 28 de setembro em Curitiba.

Porém, o atleta corre o risco de ficar de fora da competição por falta de recursos. As despesas da competição somam R$ 5 mil, incluindo gastos com passagens aéreas, hospedagem e aluguel do caiaque. Sem patrocínio privado ou apoio governamental, Fabrício precisa arrecadar o dinheiro por conta própria até 12 de setembro, data limite da inscrição no Brasileiro.

“Tinha que ter mais apoio para os atletas que querem competir e ser alguma coisa a mais no futuro. A gente não tem nada, estou tirando tudo do meu bolso. Estou bem ansioso e preocupado, quero muito ir. Tem muita gente me ajudando, tenho fé de que vamos conseguir juntar o dinheiro”, diz o atleta.

Com o apoio da mãe e da técnica Diana Nishimura Carneiro, que já treinou o campeão mundial e ex-BBB Fernando Fernandes, Fabrício começou a busca por recursos no final de agosto. Durante as duas primeiras semanas de divulgação da campanha na comunidade esportiva e na internet, Fabrício conseguiu reunir R$ 1 mil. Até 12 de setembro, Fabrício precisa arrecadar os outros R$ 4 mil.

Ex-BBB, Fernando Fernandes foi campeão mundial de paracanoagem na Polônia, em 2010.
“O Fernando e a Diana incentivam as pessoas com deficiência, mostram que a gente tem muito o que viver. Minha vida mudou depois do acidente. E esse campeonato nacional vai me abrir mais a mente para eu poder ter mais força e mais garra para treinar e participar de outros campeonatos, particularmente da seleção brasileira”, explica Fabrício.

Aos 23 anos, Fabrício foi vítima de uma bala perdida, o que causou a perda dos movimentos das pernas. Na época, ele trabalhava com montagem de iluminação de shows e passou a fazer tratamento de reabilitação no Hospital Sarah Kubitschek, onde conheceu a paracanoagem. Por se destacar no esporte, Fabrício pôde treinar com Diana Nishimura e participar de competições regionais. Além de investir na carreira de atleta, Fabrício planeja iniciar os estudos no curso de engenharia elétrica.

Como doar
Os interessados em contribuir com a campanha de doação para Fabrício podem realizar uma transferência bancária para a seguinte conta, no nome Fabrício Amorim da Silva.

Banco Itaú
Agência 5079 - Conta 29228
Tags:

publicidade

publicidade