SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Estudante de Brasília vai estudar medicina na Rússia

Qualidade no ensino estrangeiro e custo benefício foram decisivos para a escolha da futura universitária

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/10/2014 13:21 / atualizado em 01/10/2014 14:54

Raquel Franco Albuquerque, 18 anos, embarcou nesta terça-feira (30/9) para a cidade russa de Kursk (a aproximadamente 550km de Moscou) para estudar medicina. Natural de Brasília, Raquel concluiu o 3º ano do ensino médio em 2013 e conta que, desde então, tentou garantir a vaga no curso dos sonhos nas universidades brasileiras. ”Tentei em vários estados do país, inclusive em instituições particulares. Aqui no Distrito Federal, tive nota para passar em qualquer curso, como direito e odontologia, mas meu sonho sempre foi cursar medicina”, diz.

Arquivo pessoal
Para ficar mais perto do sonho, Raquel decidiu ir para longe. Ela e mais 18 brasileiros de diferentes lugares começam os estudos na Universidade Médica Estatal de Kursky na próxima semana. A futura médica conta que a universidade é reconhecida como uma das 10 melhores da Rússia e que a rigidez da instituição pesou na hora da decisão. “Lá as turmas são bem menores do que as daqui e têm até 12 alunos. Teremos também provas orais diárias, e as aulas serão em período integral, de segunda a sábado”, explica.

Além da qualidade do ensino, a relação custo benefício também foi decisiva para Raquel. Ela conta que a semestralidade no curso custa aproximadamente R$ 5 mil - valor bem inferior ao que desembolsaria para cursar medicina em uma instituição particular do DF. A estudante conheceu as possibilidades de estudar no exterior por meio de uma colega de colégio, que hoje estuda em Kursk e mora no albergue onde Raquel também irá passar os próximos meses. “Ela já é fluente em russo e se adaptou muito bem. Hoje, está trabalhando no hospital”, se entusiasma.

Essa é a primeira vez que Raquel viaja para fora do país e fica sem a companhia dos pais por um longo período de tempo. Mesmo assim, ela está confiante. “Na universidade, a gente vai estar sempre bem ocupado, acho que vai dar para me distrair. Além disso, em Kursk tem uma comunidade grande de brasileiros, então um vai ajudando o outro”, comenta.

Estudar na Rússia
As universidades russas no Brasil são representadas oficialmente pela Aliança Russa, que também é responsável pela seleção dos candidatos, inscrição na universidade e recolhimento dos documentos para permanência legal no país. Segundo a instituição, atualmente existem mais de 350 alunos brasileiros matriculados na Universidade de Kursk, onde Raquel estudará.

Hoje, nem mesmo o idioma é empecilho para se estudar no exterior. As aulas na faculdade serão ministradas em inglês, mas o russo também será disciplina obrigatória na grade horária. Além disso, quem é selecionado no processo seletivo das instituições russas pode ir para o país fazer um curso preparatório de idiomas de até nove meses antes de ingressar na faculdade. Como já é fluente em inglês, a estudante Raquel Franco Albuquerque ingressará logo no primeiro ano dos seis que enfrentará para se formar.

O diploma de medicina adquirido em outros países só tem validade no Brasil após o Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira). Apesar disso, Raquel não se intimida, já que o certificado profissional que adquirirá terá validade em toda Europa. “Nem penso em voltar para o Brasil depois de me formar… Mas tenho conhecimento da importância do Revalida e acho que o pessoal formado em Kursk tem boas chances de passar no exame.”

A estudante conta que os pais já estavam preparados para a separação e que, antes de conhecer as possibilidades de estudar na Rússia, ela cogitava ir para a Argentina estudar na Universidad de Buenos Aires (UBA) . “Eles sabiam que, para mim, já era certo que eu iria para outro país se não conseguisse passar no vestibular.” Desde que soube que se mudaria para realizar o sonho, a estudante criou um blog, chamado Amor que não se MED, para compartilhar com os interessados os requisitos da universidade e outras curiosidades sobre o curso. Raquel garante que as postagens continuam. Só que, a partir de agora, direto da Rússia.

 

 

 

Tags:

publicidade

publicidade