SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

INVESTIGAÇÃO »

Universitária morre após festa

Jovem de 19 anos teria ingerido bebida alcoólica durante Encontro Nacional de Estudantes de Relações Internacionais realizado em Brasília. De acordo com a polícia, ela não pôde receber glicose no Hospital Regional da Asa Norte por ter histórico de hiperglicemia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/04/2015 12:02 / atualizado em 28/04/2015 12:20

A Polícia Civil do Distrito Federal investiga a morte de uma jovem de 19 anos supostamente por abuso de bebida alcoólica durante um evento que reuniu universitários no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Camille Barroco Xavier morava no Rio de Janeiro e viajou a Brasília para participar da 20ª edição do Encontro Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais (Eneri). O congresso, que começou na última quarta-feira, terminou no sábado. Na noite de quinta-feira, a aluna da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) participava de uma das festas quando começou a fazer uso de álcool. Por volta das 4h de sexta-feira, a vítima foi socorrida por uma equipe médica contratada para o evento e encaminhada ao Hospital Regional da Asa Norte (Hran) com parada cardiorrespiratória. Camille não resistiu e morreu às 5h do mesmo dia.

Reprodução Facebook

No hospital, médicos tentaram reanimar a paciente com massagens cardíacas. Em razão da suspeita do abuso de bebida alcoólica, a responsável pelo atendimento não atestou o óbito da jovem. O corpo foi encaminhado ao Instituto de Medicina Legal (IML) para necropsia. Segundo a Polícia Civil, a equipe médica não concluiu a causa da morte para preservar as provas. Camille estava acompanhada de quatro amigos quando começou a vomitar e passar mal. Antes de ir para o Hran, paramédicos chegaram a estabilizá-la em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) móvel.

De acordo com a investigação da 5ª Delegacia de Polícia (Área Central), a paciente tinha histórico de hiperglicemia e, em razão da patologia, não pôde receber glicose venosa no hospital. A morte da jovem foi registrada no Cartório do 1º Ofício de Notas no Guará. A mãe, a advogada Ivete Barroco Campos da Silva, reconheceu o corpo da filha no IML. Ela esteve em Brasília acompanhada da sócia, Bárbara Sciammarella, também advogada.

Segundo o delegado-chefe da 5ª DP, Marco Antônio de Almeida, o caso, por enquanto, não configura crime. Isso porque a vítima era maior de idade e ingeriu bebida alcoólica com a suposta consciência de que tinha uma problema de saúde preexistente. “Em um primeiro momento, a morte está sendo tratada como causa natural, mas é necessário aguardar o laudo do IML que fica pronto em 30 dias. Porém, será apurado se houve auxílio, se alguém a induziu ou se houve instigação de terceiros na ingestão da bebida alcóolica”, explicou Almeida.

Organizado pela Fundação Armando Alves Penteado (Faap), uma instituição paulista, o 20º Eneri reuniu 1,3 mil estudantes de relações internacionais. No site do evento, a organização deu detalhes de três comemorações. Segundo as informações, “para integrar ainda mais os participantes, o Eneri XX contará com três festas elaboradas sob medida para os estudantes de relações internacionais”. A primeira delas, na quinta-feira, abriu o Eneri com o tema “Soy Loco Por Ti América”. Foi durante a comemoração que Camille passou mal. A segunda aconteceu na sexta, com o tema “O Mundo Bipolar — EUA x URSS”. A última delas, no sábado, encerrou o evento, que ofereceu palestras, minicursos, mesas redondas e workshops.

Luto
Amigos e familiares publicaram mensagens de despedida para Camille nas redes sociais. A reportagem procurou a mãe da jovem, mas ela alegou não estar em condições de falar. Por telefone, a sócia de Ivete Barroco Campos da Silva disse que a morte está sendo investigada e que “ninguém tem mais informações”. “Só receberemos o laudo em 30 dias. Estamos lidando com a fatalidade com muita dificuldade. A mãe de Camille é viúva e ela era filha única, então não está em condições de nada. Foi uma fatalidade”, lamentou Bárbara Sciammarella.

Parente da jovem, Muller Barroco, 25 anos, está entre os que postaram homenagens a Camille nas redes sociais. Ele agradeceu os “19 anos, 1 mês e 17 dias” que passaram juntos e se lembrou de como eram as visitas familiares. “Não consigo expressar em palavras o quanto vou sentir sua falta, do seu sorriso bobo, do seu jeito de moleca, mas, principalmente, do bem que fazia estar perto de você. As visitas não serão mais as mesmas, porque não vão ter seu abraço lá, nem você brigando porque eu demorei muito pra ir te ver, seguido de mais um abraço, porque nem de brincadeira você conseguia brigar com alguém”, escreveu.

A Comissão Organizadora do 20º Eneri afirmou, em nota, que lamenta o óbito e que se mobilizou “para dar suporte à estudante, que veio a óbito, e à família”. O Ministério das Relações Exteriores Itamaraty, que apoiou institucionalmente o evento, também lamentou o ocorrido. A ESPM Rio disse que “solidariza-se à família neste momento” e explicou não ter promovido a viagem de qualquer aluno da instituição ao evento em Brasília.

A vítima
Nome: Camille Barroco Xavier
Idade: 19 anos
Camille terminou o ensino médio em 2013 e estudava relações internacionais na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) do Rio de Janeiro. A jovem era vista como uma pessoa alegre, brincalhona e próxima da família. Nas redes sociais, diversos parentes e conhecidos ressaltaram como Camille era carinhosa. Em um texto publicado pela própria estudante na internet, ela se dizia uma pessoa comunicativa, proativa, com facilidade em se relacionar com os outros e amante de línguas. Falava inglês e espanhol e tinha noções de francês. Camille era filha única e órfã de pai. Ela deixou a mãe, Ivete Barroco Campos da Silva.

publicidade

publicidade