SIGA O
Correio Braziliense

Equipe do DF vence desafio nacional de empreendedorismo universitário

Os classificados em primeiro lugar ganharam Ipads e uma viagem para o Japão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/01/2016 13:51 / atualizado em 20/01/2016 17:57

Facebook/ Reprodução
Uma esquipe de quatro estudantes do Distrito Federal conquistou o primeiro lugar no Desafio Universitário Empreendedor este ano. O desafio é uma competição nacional, de caráter educacional, desenvolvida pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Ângela Silveira, 35 anos, estudante de análise e desenvolvimento no Centro Universitário de Brasília (UniCeub); Lucian Lorens, 22, estudante de música pela Universidade de Brasília (UnB); Pedro Henrique Ferreira, 22, que faz administração na Universidade Católica de Brasília (UCB) ; e Ricardo Aquino, 24, estudante de engenharia na UnB, venceram a competição que teve cerca de 60 mil graduandos de todo o país inscritos.

O grupo ganhou um troféu, dispositivos móveis e uma viagens de 10 dias para o Japão, para conhecer centros de empreendedorismo, além de um smartphone para cada, por terem formulado um plano que alia sustentabilidade e oportunidade de negócio. A equipe desenvolveu a proposta de um filtro separador de poluentes que pode ser acoplado ao cano de descarga dos automóveis. Além de reduzir o lançamento de resíduos no ambiente, o projeto prevê que o resíduo pode ser reciclado para a produção de pneus.

“Uma grande dificuldade era fornecer um produto de qualidade por um preço acessível, que não fosse tão exorbitante quanto o do planejamento inicial. Como administrador, eu me dediquei a resolver esse problema” explica Pedro. O idealizador do projeto, Ricardo, recebeu vários pedidos de fabricação do filtro depois de ganhar a competição e pretende levar o negócio adiante. Com o protótipo já montado, “ainda faltam diversos fatores de mercado a serem analisados, mas pretendo colocar o produto à disposição em junho”, conta. Já os outros três membros da equipe se juntaram em um projeto paralelo, envolvendo as ideias iniciais de cada um na segunda fase. Eles buscam iniciar uma academia funcional para idosos e deficientes físicos e estão buscando fornecedores e financiamento. “A gente vai começar devagar, tem muita coisa para fazer, mas nós já temos o plano de negócios”, revela Ângela.
Júlio Minasi/ UnB Agência


A estudante conta que não esperava ganhar, pois o nível da competição estava muito alto: “a gente trabalhou muito, mas foi uma surpresa!” Para Lucian, a premiação é importante, mas o maior ganho foi a rede de relacionamentos. "As amizades que eu fiz, a diversidade de pessoas com quem eu tive contato, cada uma me ensinou alguma coisa e eu pude passar um pouco para elas também. Eu cresci muito com isso”, percebe.

Sobre o Desafio Universitáiro
Empreendedor


É uma competição contínua, de ciclos anuais, na qual é possível se inscrever de graça em qualquer momento do ano, por meio do site. O jogo é composto por três etapas classificatórias: estadual com ranking virtual, estadual presencial, e nacional presencial (final). Os vencedores ganharam viagens nacionais e internacionais, mochilas, smartphones, tablets e troféus.

A primeira etapa é individual e consiste na participação em jogos on-line como quiz de empreendedorismo e simuladores gerenciais, capacitação presencial no Sebrae, participação em disciplinas de empreendedorismo na própria faculdade, além de eventos, cursos e atividades complementares organizadas pelo Sebrae.

A segunda etapa é promovida presencialmente na unidade da Federação de cada participante e integra três dias de atividades entre os 40 universitários com melhor classificação no ranking da primeira etapa em cada localidade. Cada um tem um minuto para apresentar uma ideia criativa, e as cinco mais votadas pelos próprios participantes são trabalhadas em grupos. Apesar disso, a avaliação é individual, e são chamados quatro participantes para a fase final, não necessariamente do mesmo grupo. Por fim, uma equipe de quatro alunos de cada unidade da Federação é formada para a etapa final, normalmente, em dezembro.

Podem participar da competição estudantes universitários regularmente matriculados em qualquer curso de graduação de instituições de ensino superior brasileiras credenciadas ou autorizadas pelo Ministério da Educação (MEC); professores universitários, como mentores; e instituições de ensino superior, desde que vinculadas a estudantes inscritos.