SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Estudante do 9° semestre de direito é expulso depois de criticar professora

Jader Machado diz que desde a fundação do DCE sofre perseguição por parte da reitoria. Em nota, Iesb afirma que a instauração da Comissão e o processamento da representação ocorreram em estrita consonância com as normas internas da instituição

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/04/2016 16:58 / atualizado em 11/04/2016 17:34

Arquivo pessoal
O estudante do Centro Universitário Iesb, Jader Machado, 34 anos, foi expulso no último dia 4. Segundo ele, que cursava o 9° semestre de direito no câmpus oeste em Ceilândia, a medida foi tomada pela instituição como forma de retaliação por denunciar nas redes sociais uma professora que tratava mal os alunos.

De acordo com Jader, em novembro de 2015, colegas de curso reclamaram que a docente estaria agindo de forma grosseira durante as aulas. Naquela época, o rapaz era presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE) do Iesb e teria ido até a secretaria da instituição para que fossem tomadas providências em relação ao caso. Como nada foi feito, o DCE decidiu publicar uma denúncia no perfil oficial no Facebook. “Desde que fundei o diretório sofro perseguição por lutar por direitos e melhorias para os alunos e, depois que fiz a postagem, a reitoria instaurou o processo de expulsão”, lembra.

O aluno se formaria no fim deste ano e afirma que a instituição esperou o aditamento do contrato do Fundo de Finaciamento Estudantil (Fies) e que todas as janelas de transferências para outras faculdades fossem fechadas para concluir o processo de expulsão. “Escolheram a pior época para me prejudicar, se o meu finaniamento for cancelado, perderei o semestre”, reclama.

Arquivo pessoal
Na última semana, o jovem registrou ocorrência na 19ª Delegacia de Polícia da Ceilândia por ameaça e pretende acusar o Iesb por constrangimento ilegal e coação. Em nota, a 19ª DP confirmou o registro do Boletim de Ocorrência, mas afirmou que o caso ainda está sendo apurado.

Para reverter a expulsão, o estudante criou um abaixo-assinado on-line e já tem 631 apoiadores.

 

Em nota, o Iesb afirma que ao examinar a representação, a Comissão Disciplinar instaurada reconheceu a gravidade da conduta assumida e propôs o desligamento do aluno do quadro de discentes. Confira abaixo a resposta da instituição na íntegra.

 

Nota de esclarecimento

Em face das recentes manifestações produzidas em redes sociais pelo senhor Jader Machado, expondo críticas ao Centro Universitário IESB em razão de seu desligamento do curso de Direito, a Coordenação do Curso de Direito vem a público apresentar os seguintes esclarecimentos:
Por força de Representação Disciplinar apresentada contra o discente Jader Machado, foi instituída Comissão para avaliar a conduta ali noticiada, envolvendo a formulação de críticas de ordem pessoal e profissional à determinada docente e a diversos professores do IESB.
A instauração da Comissão e o processamento da representação ocorreram em estrita consonância com as normas internas do IESB (Regimento Interno e o Código de Ética), assegurando-se ao referido discente amplo direito de defesa, inclusive com a prorrogação de seu prazo, que foi por ele próprio requerida.
No curso das apurações, restaram incontroversas as declarações formuladas pelo discente em redes sociais, segundo as quais determinada professora seria “grossa” e “ignorante”, distribuía "patadas" nos alunos, além de adotar “metodologia fracassada” e de reprovar número expressivo de alunos por mero capricho, tratando-se de uma “professora com problemas”. Afirmou ainda o discente que os “professores são frustrados profissionalmente” e que estão no IESB apenas pelo salário, sem nenhum comprometimento com a qualidade do ensino ou com os alunos.
Ao examinar a representação, a Comissão Disciplinar instaurada reconheceu a gravidade da conduta assumida, propondo o seu desligamento do quadro de discentes do IESB, após considerar que se tratava de aluno reincidente, em razão da clara e frontal violação de todos os princípios éticos que presidem o convívio acadêmico na instituição -- quais sejam, o respeito à pessoa humana, respeito à autoridade e respeito ao trabalho do outro (art. 3º do Regulamento do IESB) --, bem assim da violação de vários dos deveres éticos previstos no art. 2º do Código de Ética da instituição.

 

Reitera-se que o IESB considera que a dinâmica acadêmica demanda, em suas práticas de ensino, pesquisa, inovação e extensão, o diálogo aberto com os alunos e a sociedade em sua totalidade.
Diante desses fatos, causa surpresa a informação de que o aluno teria sido desligado em razão de sua atuação em defesa dos interesses – sempre legítimos – dos alunos do IESB, fato que não corresponde à realidade. Ao contrário da afirmação do discente, diretórios acadêmicos estão devidamente previstos no Regimento Interno do IESB, com ampla publicização interna e externa.
Embora lamentando os transtornos que possam ser causados ao projeto de vida do referido discente, a instituição mantém-se fiel aos princípios éticos que fez editar para reger o convívio acadêmico, devidamente aprovados pelo Ministério da Educação (MEC), colocando-se à disposição de todos os alunos para eventuais esclarecimentos complementares.
Brasília, 8 de abril de 2015.

Coordenação do Curso de Direito do
Centro Universitário IESB

publicidade

publicidade