SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Rio 2016

Estudantes protestam na UFRJ contra ocupação pela segurança da Olimpíada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/07/2016 21:05

Agência Brasil

Estudantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) estão acampados desde a madrugada de hoje (14) no campo de futebol do campus da Praia Vermelha, zona sul do Rio de Janeiro, para protestar contra a utilização do local como base para agentes de segurança federais durante os Jogos Olímpicos Rio 2016, que começa em menos de um mês, no dia 5 de agosto.
Saiba Mais

Forças Armadas ocupam ruas do Rio a partir do dia 24 para Jogos Olímpicos
Segurança nos Jogos Olímpicos será feita por 26 mil homens


Os estudantes criticam a decisão da instituição de ceder o espaço sem que tenha havido debate coletivo prévio e representantes do grupo estão reunidos, neste momento, com a reitoria. Na página do Facebook Ocupa Praia Vermelha, o grupo reivindica, além do cancelamento do contrato de utilização do campo de futebol, a conclusão das obras dos bandejões, gestão compartilhada da universidade, uma política de utilização dos espaços de convivência e destinação de espaço no campus para a construção de creches e educandários, entre outras demandas.

Em maio, a UFRJ informou que o campo de futebol seria local de operações de segurança durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Os estudantes criticam a cessão do espaço por considerarem que, em nome dos Jogos Olímpicos, autoridades têm violado direitos, com remoções, violência, piora da mobilidade e destinação de verbas públicas para obras do evento, em detrimento de setores como a educação e saúde públicas.

“O Legado Olímpico é uma acentuação do processo de exclusão que já existe na nossa cidade, onde o acesso aos serviços de moradia, lazer, cultura e transporte fica cada vez mais precarizado, sobretudo nas periferias – que são submetidas diariamente à violência causada pela presença de um aparato militar de repressão e controle”, declara o grupo no manifesto postado nas redes sociais.

Eles chamaram de “inaceitável” que a UFRJ não trate obras como as dos bandejões com a mesma prioridade que as obras olímpicas dentro do campus, como o Laboratório de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (Ladetec) e os campos de Rugby e Hóquei na Grama. “Pedimos bandejão, ele deram tanque de guerra”, dizem os estudantes.

Atualmente, o único campus da UFRJ com bandejão é o do Fundão, na Ilha do Governador, zona norte da cidade. Em junho, um grupo de estudante ocupou o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IfCS) para reivindicar bandejões nos campi do centro e da Praia Vermelha,

publicidade

publicidade