SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Começa disputa pela reitoria da UnB

O prazo para a inscrição das chapas tem início amanhã. Quatro docentes devem concorrer ao cargo máximo da instituição, três deles também estiveram no pleito anterior, em 2012. Primeiro debate está marcado para 11 de agosto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/07/2016 14:20 / atualizado em 25/07/2016 14:46

Mariana Niederauer - Especial para o Correio

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
 

Terá início amanhã o processo de consulta pública para a gestão 2016/2020 da Reitoria da Universidade de Brasília (UnB). Tudo indica que o pleito deste ano será mais tranquilo do que o de 2012, quando 10 chapas se inscreveram para concorrer ao cargo máximo da instituição. Agora, a expectativa da comunidade acadêmica é de que esse número seja reduzido a menos da metade. O registro das candidaturas ocorre amanhã, das 8h às 18h, na Casa do Professor.

Os pré-candidatos à disputa deste ano são: a professora do Instituto de Geociências Márcia Abrahão Moura; o atual reitor da universidade, Ivan Camargo; e a professora do Departamento de Serviço Social Denise Bomtempo. Espera-se ainda uma candidatura da Faculdade de Saúde (FS). Os pré-candidatos não podem se manifestar oficialmente, em respeito ao regulamento da consulta. As propostas de cada chapa só poderão ser apresentadas após a homologação das candidaturas (veja o calendário).

Ivan Camargo já havia manifestado a vontade de concorrer à reeleição, dessa vez com o intuito de trazer uma pauta mais positiva e menos marcada pela austeridade nos gastos. Principal adversária dele na consulta passada, Márcia Abrahão ficou com pouco mais de 45% dos votos no segundo turno, enquanto o vencedor teve a preferência de cerca de 51% dos eleitores. Denise Bomtempo também foi candidata na consulta passada, e ficou em quarto lugar no primeiro turno. O candidato da FS em 2012 foi Volnei Garrafa, que terminou o primeiro turno em terceiro lugar. Este ano, no entanto, é mais provável que a diretora da faculdade, Maria Fátima de Sousa, se candidate.

Organização

O primeiro debate está marcado para 11 de agosto e ocorrerá no câmpus Darcy Ribeiro, na Asa Norte. Os demais — Gama, Planaltina e Ceilândia — também receberão os candidatos. A votação será em 30 e 31 de agosto e seguirá o mesmo modelo da consulta anterior, com voto paritário entre os três segmentos da comunidade acadêmica (leia Para saber mais). A Comissão Organizadora da Consulta (COC) espalhou faixas na unidade da Asa Norte para divulgar as datas do pleito. A intenção é incentivar a participação de todos, inclusive dos calouros e dos técnicos convocados no último concurso, que terão direito a voto.

Antônio José dos Santos, um dos representantes dos técnicos-administrativos na COC, ressalta que a discussão sobre a paridade na votação foi mais tranquila este ano. Na última consulta, o debate tinha sido mais acirrado. “A partir do momento que a discussão da paridade foi superada e aceita, o trabalho da comissão é fazer o máximo para divulgar a consulta para que ela seja o mais representativa possível. A ideia é que os alunos compareçam ao máximo às urnas para que a escolha do reitor reflita bem a vontade da comunidade acadêmica”, completa Hércules Nunes, representante dos estudantes.

A expectativa da comissão é de que na próxima semana entre no ar uma página no site da UnB específica para informações sobre a consulta. A COC também aguarda a entrega, pela administração da universidade, da lista de alunos, professores e técnicos aptos a votar para fazer a distribuição adequada entre os locais de votação, que já foram definidos.

Demandas

Um dos fatores que devem pesar na escolha será o atendimento às reivindicações dos servidores técnicos-administrativos, único segmento em que o candidato vencedor do último pleito não teve a maioria dos votos. Na gestão atual, a categoria perdeu a jornada de 30 horas semanais — a resolução que permitia a redução foi revogada pelo Conselho de Administração da universidade (CAD).

A volta da flexibilização da jornada é a principal pauta do Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub) e precisará ser avaliada com atenção pelos candidatos e, posteriormente, pelo próximo dirigente. O número de servidores (3.111) já ultrapassa o de professores (3.029) e o voto deles poderá ter peso importante no resultado. Na última consulta, os docentes foram o grupo que mais compareceu às urnas proporcionalmente — mais de 80% votaram. Os alunos somam quase 38 mil.

O coordenador-geral do Sintfub, Mauro Mendes, afirma que a entidade prezará pela independência e pela autonomia, e não apoiará nenhum candidato. A pauta de reivindicação da categoria será apresentada a todos os que concorrem à reitoria. “Qualquer servidor tem autonomia para escolher essa ou aquela candidatura, mas a entidade não apoia nenhum candidato”, reforça.

A mesma posição é seguida pelas demais entidades representativas da comunidade acadêmica, já que tanto os técnicos quanto os professores e os estudantes têm representantes na COC. A pauta do Diretório Central dos Estudantes (DCE), que também deve ser apresentada a todas as chapas, inclui o investimento na infraestrutura da universidade e na construção de novos prédios. “Vamos nos reunir com todos os candidatos para deixar claro que não apoiaremos ninguém, mas que queremos trabalhar com todos”, afirma Victor Aguiar, coordenador-geral do DCE.

Entre as reivindicações da Associação dos Docentes da UnB (AdUnB) estão a iluminação do câmpus Darcy Ribeiro; o reforço da segurança em toda a universidade; a revitalização do Centro Olímpico; e a melhoria das condições de trabalho de professores e técnicos. O presidente da entidade, Virgílio Arraes, acrescenta ainda que a categoria pede menos burocracia no processo de progressão e promoção funcional e que seja reiterada, por meio da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), a melhoria salarial para professores e técnicos, prerrogativa do Ministério da Educação (MEC) e do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.


Para saber mais


Como funciona a consulta
A votação será paritária, ou seja, os votos de cada segmento da universidade — professores, técnicos e estudantes — representará um terço do resultado. Como o número de eleitores em cada segmento é diferente, para que a participação deles tenha o mesmo peso, o comparecimento às urnas tem que ser equivalente. Os nomes escolhidos para reitor e vice-reitor serão levados para votação no Conselho Universitário (Consuni), que, por sua vez, encaminhará a lista tríplice à Presidência da República. A Comissão Organizadora da Consulta é formada por nove representantes da UnB, três de cada segmento. Dúvidas sobre a consulta podem ser enviadas para o e-mail cocunb2016@gmail.com.

Calendário

Confira as datas do processo de consulta para reitor da UnB

» Amanhã, das 8h às 18h — Inscrição das chapas pela COC
» Quarta-feira, às 12h — Homologação dos candidatos das chapas
» Quinta-feira — Entrega dos recursos, deliberação e retificação da homologação, se necessária
» A partir de sexta-feira até 31 de agosto — Campanha
» Até 20 de agosto — Divulgação da lista de eleitores aptos a votar e da localização das urnas
» 30 e 31 de agosto — Consulta
» 1º de setembro, a partir das 9h — Apuração dos votos e divulgação do resultado, no Centro Comunitário
» 2 a 14 de setembro — Campanha e debates entre candidatos do segundo turno, se necessário
» 13 e 14 de setembro — Segundo turno da consulta, se necessário
» 15 de setembro, a partir das 9h — Apuração e divulgação do resultado do segundo turno
» 16 de setembro — Homologação do resultado no Consuni

Debates
» 11 de agosto — Primeiro debate no câmpus Darcy Ribeiro, na AdUnB
» 16 de agosto — Debate no câmpus do Gama, ainda sem local definido
» 18 de agosto — Debate no câmpus de Planaltina, ainda sem local definido
» 23 de agosto — Debate no câmpus de Ceilândia, ainda sem local definido
» 26 de agosto — Segundo debate no câmpus Darcy Ribeiro, ainda sem local definido


Quem deve concorrer

As chapas ainda vão se inscrever, mas as apostas sobre os possíveis candidatos já começaram. Confira o perfil de cada um deles:

Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press
Ivan Camargo

O atual reitor da UnB e professor da Faculdade de Tecnologia vai concorrer à reeleição este ano. No primeiro mandato, equilibrou as contas da universidade e zerou o número de servidores que não tinham vínculo empregatício com a Fundação Universidade de Brasília (FUB), substituindo-os por concursados. A gestão foi marcada pela austeridade nos gastos e ele pretende apresentar uma pauta mais positiva, que inclua investimentos em áreas que ficaram em segundo plano.

Breno Fortes/CB/D.A Press
Denise Bomtempo

É professora do Departamento de Serviço Social e esteve à frente do Decanato de Assuntos Comunitários de novembro de 2012 a fevereiro deste ano. Nesse período, foi criada a Diretoria da Diversidade, para demandas relacionadas a violência, homofobia, lesbofobia, transfobia, assédios e racismo. A professora também foi decana de Pesquisa e Pós-Graduação na gestão anterior, de José Geraldo de Souza. Foi candidata na disputa à reitoria em 2012.

José Varella/CB/D.A Press
Márcia Abrahão

Professora do Instituto de Geociências, foi decana de Ensino de Graduação da reitoria pró tempore, em 2008, e da gestão de José Geraldo de Souza até 2011, período em que foi implementado o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). Em 2012, foi adversária do atual reitor no segundo turno e suas propostas tiveram como foco maior integração de professores e técnicos e a redução da evasão.

publicidade

publicidade