SIGA O
Correio Braziliense

Aluna do IFB cria vaquinha virtual para custear passagens para o RJ

Jovem do DF foi selecionada para participar da Olimpíada Brasileira de Neurociência, mas não tem recursos para viajar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/05/2017 21:19 / atualizado em 04/05/2017 14:43

 

Já imaginou passar para a etapa de um concurso nacional e não poder comparecer por falta de dinheiro? Esse é o dilema vivido por Fabiana de Lima Ferreira, 16 anos. Filha de um padeiro e de uma dona de casa, ela não tem recursos suficientes para financiar a viagem para participar da próxima fase da Olimpíada Brasileira de Neurociência (OBN) no Rio de Janeiro. A fim de tentar ajudar a estudante, o Instituto Federal de Brasília (IFB) lançou uma campanha de doações para a candidata que representará a instituição.



O comitê da olimpíada financiará hotel e café da manhã. Agora, falta Fabiana conseguir a verba para a passagem. “Estou estudando bastante, espero conseguir representar Brasília e ter um bom desempenho", revela.

O resultado das competições locais da Olimpíada Brasileira de Neurociência (OBN) para estudantes do ensino médio foi divulgado em 16 de fevereiro. O primeiro lugar ficou para a estudante Isabelle dos Santos (do Colégio Militar Dom Pedro II), o segundo para Fabiana de Lima Ferreira  (do Instituto Federal de Brasília) e o terceiro para  Kaleb Damarcena de Oliveira (do Centro de Ensino Médio 9 de Ceilândia). O trio representará o Distrito Federal na competição. A próxima etapa será em São Fidélis, no Rio de Janeiro, entre sábado (6) e domingo (7).

Quem quiser ajudar a campanha Fabiana IFB na OBN 2017 pode contribuir por meio do site de financiamento coletivo Vakinha.   

Aluna modelo
Moradora de Riacho Fundo II, Fabiana sonha em cursar graduação nas áreas de medicina ou de engenharia mecatrônica. Classificada com 28,75 pontos, ela estudou por conta própria para a prova por meio da internet. No começo, a adolescente nem sabia o que era neurociência. “Meu professor falou sobre a olimpíada, então pensei: "por que não fazer?" Comecei a estudar e gostei muito da ideia de entender o sistema nervoso. Daí fiz a prova, passei e pretendo me empenhar para as etapas que estão por vir”, garante.

Professora de língua portuguesa no IFB, Cleide da Silva Cruz deu aulas para Fabiane e a considera uma estudante esforçada. “Ela é excelente aluna, superdedicada, uma menina de família simples que aproveita tudo que o instituto tem a oferecer”, diz.



*Estagiário sob supervisão de Ana Paula Lisboa